Menu

preto e branco

Robert Frank e sua obra-prima: “The Americans”

Em seu fotolivro, Robert Frank retratava as cenas do cotidiano norte-americano com ângulos tortos e cortes bruscos e colocava a nu as questões mais impetuosas da sociedade, motivo pelo qual, talvez, suas obras de começo de carreira tenham sido mal recebidas. A revista popular Photography reclamou dizendo que eram “borrões sem sentido”. Já o autor declararia: “tentei esquecer as fotos fáceis para tentar trazer algo do interior.”

29/10/2019

Continue lendo

Carla Kogelman: Tempos da infância

Instantes da vida de crianças em um pequeno vilarejo austríaco compõem a série Ich bin Waldviertel (Eu sou de Waldviertel), da fotógrafa holandesa Carla Kogelman. O trabalho foi vencedor do prêmio World Press Photo 2014, na categoria Retratos do Cotidiano. Embora a série se aproxime de duas personagens, as irmãs Hannah e Alena, e de uma localidade em específico – Merkenbrechts, perto da fronteira da Áustria com a República Checa –, as fotografias nos apresentam a infância em tons mais universais, como um mundo repleto de movimento, brincadeiras e afetos.

22/10/2019

Continue lendo

Duane Michals: Narrativa, representação e realidade (Parte II)

No primeiro post de nossa série sobre o fotógrafo norte-americano Duane Michals, apresentamos Chance Meeting, de 1972. Hoje, trazemos mais uma sequência de imagens – dessa vez, as fotos de The Young Girl’s Dream (1969). Novamente, Michals produz um exercício visual em torno de como o movimento – e o que é estático – pode ser representado na fotografia. Além disso, percebemos também o interesse do fotógrafo pelo caráter espectral da imagem fotográfica.

02/04/2016

Continue lendo

Duane Michals: Narrativa, representação e realidade (Parte I)

Renomado por suas sequências de imagens que questionam a relação entre representação e realidade, o fotógrafo norte-americano Duane Michals explora os limites da linguagem fotográfica.

11/03/2016

Continue lendo

Tatsuo Suzuki: Subterrâneos de Tóquio

Nas fotografias de Suzuki no “underground” japonês, chamam atenção os enquadramentos fechados nos quais raramente vê-se espaços vazios. Claustrofobia e cansaço são duas palavras que vêm à mente ao observarmos os rostos e corpos que se esmagam nos bancos, escadas e plataformas.

05/02/2016

Continue lendo

William Ropp: Escultor de sombras

Depois de comentarmos o trabalho em cor de Wiliam Ropp, hoje apresentamos uma mostra da sua produção em preto e branco, com fotografias de viagens do fotógrafo francês a Mali, na África.

28/07/2015

Continue lendo