Menu

Fotopédia

Luisa Dörr: Fotografando com smartphone

Gaúcha de Lageado (RS), Luisa Dörr ganhou projeção internacional em 2017, após ser convidada pela revista Time para retratar as maiores influentes norte-americanas – entre elas a Oprah Winfrey, Hillary Clinton e Selena Gomes. Doze retratos compuseram as capas da série de reportagem especial intitulada “Firsts: women who are changing the world”. O fato de ela ter fotografado essas grandes celebridades com seu celular causou um grande burburinho, tornando-a também uma pioneira.

03/12/2019

Continue lendo

Rochelle Brock e sua fotografia inclusiva e positiva

A fotógrafa Rochelle Brock, de Nova York, iniciou sua trajetória aos 16 anos de idade, fotografando coisas as quais ela gostava. Com o tempo ela descobriu que sua paixão eram as pessoas, especialmente as pessoas negras e “avantajadas” como ela. Brock encontrou na fotografia uma forma de dar voz aquelas pessoas sub-representadas, retratando a positividade ao corpo.

26/11/2019

Continue lendo

Jules Villbrandt: Herz & Blut

Jules Villbrandt é quem está por trás das câmeras da HERZ & BLUT, um blog inspirador que mistura design de interiores, estilo de vida, gastronomia e viagens. Ela estudou Comunicação Empresarial na Universidade de Artes, enquanto estudava ela já desenhava suas próprias bijuterias e as vendia nos finais de semana. “Eu acredito que este foi o começo do meu perfil empreendedor e autônomo”, conta a fotógrafa.

19/11/2019

Continue lendo

Naima Green: Um trabalho com uma proposta representativa

Pursuit, trabalho da fotógrafa Naima Green, consiste em um baralho de 54 cartas que retrata pessoas trans, não-binárias, mulheres queer e indivíduos que não se identificam conforme a identidade de gênero socialmente atribuída ao seu sexo. Para a construção de sua obra, Naima se inspirou no baralho “Dyke Deck” de Catherine Opie, onde a fotógrafa explora a questão do corpo lésbico na fotografia. Green tenta mostrar a diversidade existente e que, às vezes, não é lembrada.

12/11/2019

Continue lendo

Letícia Lampert: Random City

Na série da designer Letícia Lampert, imagens de lugares diferentes são misturadas, enganando os olhos dos espectadores ao tentar identificar qual é o local. Embora seja evidente a colagem das figuras é difícil dizer onde começa e termina cada imagem. As fotografias destacam tanto cidades que passaram por uma rápida expansão ou períodos de colonização e que, posteriormente, reaparecem em um auto colonialismo espontâneo liderado por tendências da arquitetura e desejos de desenvolvimento.

05/11/2019

Continue lendo

Robert Frank e sua obra-prima: “The Americans”

Em seu fotolivro, Robert Frank retratava as cenas do cotidiano norte-americano com ângulos tortos e cortes bruscos e colocava a nu as questões mais impetuosas da sociedade, motivo pelo qual, talvez, suas obras de começo de carreira tenham sido mal recebidas. A revista popular Photography reclamou dizendo que eram “borrões sem sentido”. Já o autor declararia: “tentei esquecer as fotos fáceis para tentar trazer algo do interior.”

29/10/2019

Continue lendo