Skip to content

9 de dezembro de 2013

O álbum de família de Alain Laboile

Retrato de Alain Laboile

Alain Laboile é serralheiro. Vive no campo com sua esposa e seus seis filhos. Sem televisão, confortos supérfluos, ideologia ou religião. Em 2004, com o objetivo de construir um portfólio de suas esculturas em ferro, adquiriu uma câmera fotográfica, com a qual se deu muito bem. Depois de se aventurar na macrofotografia, estimulado por sua paixão por insetos, focou a objetiva em sua família, que acabou se tornando seu grande tema. As fotos que ilustram este post foram tiradas nos últimos seis anos e constituem um diário íntimo do crescimento e da vida dos filhos, além de uma representação realista de seu estilo de vida atípico. Com seu olhar poético, que se vale do monocromatismo e de muita luz natural, Laboile mostra crianças que parecem estar realmente apaixonadas pela vida e a natureza que as cerca.

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

“Minha fotografia se assemelha a um tipo de diário. A emoção pode surgir de situações cotidianas, a partir de pequenas coisas que se referem a nós. É por isso que as fotos de família são um assunto que está em constante renovação”.

Foto: Alain LaboileFoto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Publicadas este ano no livro La Famille, a série de imagens se mantém tão despretensiosa e honesta quanto quando começou. No vasto terreno rodeado por um riacho, uma pequena floresta de bambu e uma piscina natural, a câmera de Laboile, de tão presente, tornou-se quase invisível, o que permitiu a ele captar a magia do cotidiano no ambiente familiar sem interferências. O pai fotógrafo afirma que se limita a observar: “As crianças são criativas, só é preciso esperar que as coisas aconteçam diante da câmara e clicar”.

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Nascido em Bordéus, em 1968, Laboile é apaixonado por desenho. Conheceu sua esposa quando estudava História da Arte, mais ou menos na mesma época em que se encantou pelo Renascimento Italiano.  O fotógrafo descreve a realidade de sua obra como “uma vida no limite do mundo, onde a atemporalidade e a universalidade da infância se encontram”. O mote de seu trabalho é deixar um legado para seus filhos na forma de um testemunho, um reflexo de suas vidas. “Embora meu trabalho seja profundamente pessoal, é também acessível, abordando a natureza humana e permitindo que o espectador entre no meu mundo e reflita sobre sua própria infância”.

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Aos que apreciaram o álbum de família de Laboile, vale conferir também o trabalho de Sally Mann.

Foto: Alain LaboileFoto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Foto: Alain Laboile

Comments are closed.