Skip to content

19 de outubro de 2012

Antropologia poética: Cristina García Rodero

Autorretrato de Cristina Garcia Rodero.

Nascida em 1949 em Puertollano, na Espanha, Cristina García Rodero é autora de importantes ensaios documentais e jornalísticos, valiosos por sua abordagem original, por sua veia antropológica e principalmente pela qualidade estética, responsável por torná-los mais do que meros registros. Pintora por formação, graduou-se na Universidade de Madri e se tornou professora. Por anos, a fotografia foi apenas um hobby: era somente em seu tempo livre que pesquisava e fotografava festas populares, religiosas e pagãs, ao redor da Espanha. O resultado desses anos de trabalho informal foi publicado em España Oculta (1989), que ganhou o prêmio “Book of the Year” no Arles Festival of Photography. A partir daí, Cristina tornou-se membro da Vu, onde está há mais de 15 anos, e, em 2009, integrou o time da Magnum, tornando-se a primeira fotógrafa espanhola da agência.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Fascinada por diferentes culturas, Rodero viaja o mundo para descobrir novos povos e suas tradições particulares. Durante quatro anos, foi diversas vezes ao Haiti, onde documentou romarias, orações e rituais de vudu, produzindo uma série de imagens extremamente expressivas. Publicadas em Rituals in Haiti (2001), exibido pela primeira vez em 2001, na Bienal de Veneza, são algumas dessas fotografias que ilustram este post.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Cristina também é autora do maior acervo fotográfico da Espanha. Em um repertório de mais de 200 mil fotografias, mostra sempre o espanhol como protagonista, ora de um local idealizado e tradicional, ora de cenários grotescos e assustadores. Os detalhes são sempre explorados de forma intuitiva, sem preconceitos ideológicos ou caráter político. Em suas palavras, o trabalho é fruto da tentativa de clicar o que há de verdadeiro, mágico e misterioso da alma popular na Espanha: “[...] os momentos mais intensos e mais amplos nas vidas desses personagens são tão simples quanto irresistíveis, com toda a sua força interior”.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Em entrevista à estudante Prakriti Bhanot, da Escola Internacional da Madri, Cristina falou sobre suas influências, afirmando que o francês Robert Doisneau é seu fotógrafo favorito, seguido por Henri Cartier-Bresson e William Klein. “Eles tiram as fotos do fundo do coração das crianças, pessoas e ruas”, define. À pedido da entrevistadora, a fotógrafa também deu um conselho aos jovens fotógrafos: saírem por seus países e conhecerem outros mundos, expondo-se ao inesperado e às diferenças. “Eles vão ver culturas e pessoas diversas e aprender que todos possuímos os mesmos anseios e medos, além de aprenderem mais sobre o que eles mesmos possuem. E o quanto estão perdendo”.

“Eu gosto de cores, bem como gosto de fotos em preto e branco. Cores adicionam sensualidade e felicidade. Em P&B, há um certo mistério porque é diferente da realidade. As cores nos distraem, e perdemos a profundidade”  Cristina García Rodero

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Foto: Cristina Garcia Rodero.

Share your thoughts, post a comment.

(required)
(required)

Note: HTML is allowed. Your email address will never be published.

Subscribe to comments