Skip to content

10 de junho de 2014

Sioma Breitman: a fotografia em Porto Alegre no século XX

Foto: Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa

Um dos principais fotógrafos de Porto Alegre no século XX, Sioma Breitman (1903-1980) tem sua trajetória resgatada no documentário Sioma – O papel da fotografia, dirigido por Eneida Serrano e Karine Emerich. O lançamento do curta-metragem, financiado pelo Fumproarte, acontece no dia 10 de junho, às 19h, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro. “São 15 minutos de reflexão sobre o prazer da fotografia e sua transcendência no tempo”, conta Eneida, que conversou com o blog do Centro de Fotografia da ESPM-Sul a respeito do filme e da pesquisa em torno do fotógrafo.

Foto: Sioma Breitman

Eneida consultou a Fototeca Sioma Breitman do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo, o Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, recortes de jornais, arquivos de família e álbuns particulares de pessoas que entraram em contato após uma nota divulgando a iniciativa, publicada pelo fotógrafo Ricardo Chaves em sua coluna no jornal Zero Hora. Dessa rede surgiram as imagens que compõem o curta-metragem.

Foto: Sioma Breitman

As diretoras ressaltam que não se trata de uma biografia, e sim de um olhar para a relação de Sioma com a fotografia. “O personagem me sugeria essa abordagem. Sioma trabalhava com muito envolvimento, amor pelo trabalho. Não tinha diferença entre a noiva da alta sociedade e o engraxate da Rua da Praia”, conta Eneida. Para Karine, codiretora do curta, “o documentário foca nas pessoas e em suas relações com a fotografia-objeto, incitando memórias e propondo novas relações com a produção de Sioma, um fotógrafo que não pode ser esquecido”.

Foto: Sioma Breitman / reprodução frente e verso de Eneida Serrano

Os retratos carregam histórias. Getúlio Vargas foi fotografado por Sioma pela primeira vez em 1929, quando liderava o Executivo gaúcho. Outros quatro encontros aconteceram posteriormente, ao longo dos dois mandatos de Getúlio como presidente da República – em cada ocasião, Getúlio autografava o verso da primeira imagem obtida por Sioma. Os registros do cotidiano urbano mostram outra faceta do trabalho de Sioma. Exemplo disso é uma foto da enchente de 1941, em Porto Alegre, que mostra um barco no leito formado pela inundação, com os prédios da Prefeitura e do Mercado Público aparecendo ao fundo.

Foto: Sioma Breitman

Nascido na Ucrânia em 1903, Sioma emigrou para Buenos Aires em 1922, aos 19 anos. Em 1924, mudou-se para Porto Alegre, onde abriu com seu pai e os quatro irmãos – todos recém-chegados da Europa – o estúdio Foto Aurora, na Avenida Osvaldo Aranha. Nos anos seguintes, percorreria o interior do Rio Grande do Sul inaugurando filiais do Aurora em Cachoeira do Sul e Santa Maria. Em 1937, já casado com a gaúcha Rosa e vivendo novamente na Capital, abriu seu próprio estúdio, o Foto Sioma, na Rua da Praia, 1281. O local tornou-se o principal ponto de referência para quem quisesse um retrato ou uma foto oficial de casamento. Sioma fotografava a elite porto-alegrense, políticos, pessoas que havia encontrado nas ruas e grupos que estavam na cidade para se apresentar no Theatro São Pedro.

Lançamento de Sioma – o papel da fotografia (15´, 2014)
10 de junho de 2014, às 19h
Local: Sala P. F. Gastal – 3º andar da Usina do Gasômetro (Avenida Presidente João Goulart, 551 – Centro Histórico – Porto Alegre)
Entrada gratuita com distribuição de senhas meia hora antes da sessão

Comments are closed.