Skip to content

14 de agosto de 2013

Peter Scheier e a documentação do Brasil moderno

Retrato de Peter Scheier.

Em uma interpretação romântica, é possível dizer que o fotógrafo Peter Scheier (1908 – 1979) encontrou na fotografia uma forma de manifestar seu amor pelo Brasil – e não apenas de ganhar a vida em um país desconhecido. Fugindo da perseguição nazista, o alemão chegou em São Paulo em 1937, aos 29 anos, e construiu uma carreira eclética, registrando diversos momentos importantes da história brasileira. Os negativos em seu acervo impressionam tanto pela variedade dos assuntos abordados quanto pela quantidade: doado em 1979 para a Editora Abril, o arquivo contém cerca de 30 mil negativos em preto e branco e 4 mil slides coloridos.

Foto: Peter Scheier.

Foto: Peter Scheier.

Quando chegou em São Paulo, Scheier tinha nas mãos uma carta de recomendação para trabalhar em um frigorífico. Empregado e atuando, também, como operário e tipógrafo, vendia cúpulas de abajur nas horas vagas. Um dia, cansado de carregá-las, decidiu tirar fotografias das peças para fazer um catálogo. Foi sua estreia na profissão.  Em 1939, começou a fotografar para um dos suplementos do jornal O Estado de São Paulo. No início dos anos 1940 até cerca de 1950, assinou importantes reportagens como fotojornalista da revista O Cruzeiro. A entrada na publicação coincidiu com um refinamento estético em sua fotografia, atribuído por muitos como consequência do contato com o casal Pietro Maria, crítico de arte, e Lina Bo Bardi, arquiteta modernista.

Foto: Peter Scheier.

Foto: Peter Scheier.

Foi nos anos 1940 que Scheier registrou o acelerado desenvolvimento da cidade de São Paulo – suas fotos urbanas e com ar moderno estamparam as páginas da revista de arte, design e arquitetura Habitat.  Na mesma época, abriu o Foto Studio Peter Scheier, que funcionou até 1975, ano em que retornou para a Alemanha. Scheier também foi o fotógrafo oficial da Record e do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. Representado pela agência norte-americana Pix, reportou, entre diversas pautas, a inauguração de Brasília para o exterior.

Foto: Peter Scheier.

Foto: Peter Scheier.

Ao registrar as mudanças tecnológicas do país, Peter Scheier não deixou para trás os tipos humanos, as características locais e as situações sociais, construindo um repertório que contempla as múltiplas facetas do Brasil. Versátil, o fotógrafo se adaptava bem em qualquer situação, mas sempre mantendo o enfoque de fotojornalista: preferia histórias e pessoas em detrimento de paisagens e arquiteturas.

Foto: Peter Scheier.

Foto: Peter Scheier.

Peter Scheier faleceu em Ainring, Alemanha, em 1979, quatro anos depois de deixar o Brasil.

Share your thoughts, post a comment.

(required)
(required)

Note: HTML is allowed. Your email address will never be published.

Subscribe to comments