Skip to content

14 de outubro de 2011

O nu coletivo segundo Spencer Tunick

Fotógrafo Spencer Tunick em ação, Australia 2010. Foto: Tim Wimborne/Reuters

Fotógrafo Spencer Tunick em ação, Australia 2010. Foto: Tim Wimborne/Reuters

O artista americano Spencer Tunick documenta a reunião de pessoas nuas em espaços públicos desde 1992. Suas instalações reúnem dezenas, centenas ou milhares de voluntários e suas fotografias são um registro desses encontros.

Cidade do México, 2007. Foto: Spencer Tunick

Em 1994, organizou 75 instalações temporárias nos Estados Unidos e, desde então, reúne voluntários em países no mundo inteiro. Seu recorde foi alcançado na Cidade do México, onde fotografou cerca de 18 mil pessoas. Foi preso por fotografar uma modelo nua em Nova Iorque, em 2005, e já foi tema de três documentários da HBO: Naked States, Naked World e Positively Naked.

Dusseldorf, 2006. Foto: Spencer Tunick

A filosofia de Tunick parte do princípio de que juntos, e sem suas roupas, os indivíduos formam novas imagens. Como o próprio descreve, os corpos se estendem e se incorporam à paisagem como uma substância. Seu trabalho mexe com os conceitos de sexualidade, nudez e privacidade, além de ser, em um só tempo, efêmero e permanente — já que se utiliza de instalações e fotografia.

Switzerland Aletsch Glacier, 2007. Foto: Spencer Tunick

Em setembro deste ano, Tunick realizou sua primeira produção no Oriente Médio, “Mar Nu”, que reuniu mais de mil pessoas em uma praia da costa israelense. O trabalho integra uma campanha internacional a favor do reconhecimento do Mar Morto como uma das sete maravilhas naturais do mundo. O fotógrafo também já trabalhou em parceria com ativistas do Greenpeace, em 2007, na Suíça, quando criou uma escultura viva com 600 pessoas para alertar o mundo sobre os perigos do aquecimento global.

Centro de Arte Contemporânea, New Castle 2005. Foto Spencer Tunick

O artista esteve no Brasil em 2002, quando participou da Bienal de São Paulo. Na ocasião, 1500 pessoas foram fotografadas por ele no no parque do Ibirapuera. De megafone na mão, o artista dirigiu os presentes com o auxilio de uma tradutora. As fotos foram expostas na galeria nova-iorquina I-20 em 2003.

Albright Knox art gallery. Foto: Spencer Tunick

Spencer Hot Springs, New Mexico 2001. Foto Spencer Tunick

Read more from Sem categoria

Share your thoughts, post a comment.

(required)
(required)

Note: HTML is allowed. Your email address will never be published.

Subscribe to comments