Skip to content

19 de setembro de 2012

O erotismo poético de Robert Mapplethorpe (1946-1989)

Autorretrato de Robert Mapplethorpe.

Robert Mapplethorpe (1946-1989) é célebre não apenas por seus icônicos retratos em preto e branco e suas controversas fotografias carregadas de conteúdo homoerótico, mas pela importância de seu nome na cena artística e contra-cultural nova-iorquina dos anos 1970. Mesmo homossexual, foi casado com a cantora e poeta Patti Smith – com quem viveu por anos no tradicional Hotel Chelsea -, responsável pelos retratos de capa de quase todos os seus discos. Ambos eram assíduos frequentadores da Factory, sede dos projetos performáticos e em múltiplas plataformas de Andy Warhol e um dos pontos mais emblemáticos e efervescentes da história de Manhattan.

Patti Smith, 1976. Foto: Robert Mapplethorpe.

Jim Sausalito, 1977. Foto: Robert Mapplethorpe.

Terceiro de seis irmãos em uma família de origem irlandesa, Mapplethorpe foi educado em uma escóla católica no bairro nova-iorquino no qual cresceu, Queens. Após um breve interesse em música, estudou artes gráficas, pintura e escultura no Brooklyn Pratt Institute, mas abandonou o curso antes de se formar. Conheceu Patti Smith ainda na adolescência, e ambos viveram juntos de 1966 a 1974, época em que ela o sustentou trabalhando em lojas de livros. Mesmo após Mapplethorpe se assumir gay, ambos mantiveram um relacionamento extremamente próximo por toda a sua vida.

Autorretrato de Robert Mapplethorpe.

2 men. Foto: Robert Mapplethorpe.

Começou a se expressar artisitcamente com esculturas e colagens de revistas eróticas, interessando-se por fotografia influenciado por John McEndry, curador da coleção gráfica do Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque. McEndry foi o responsável por presenteá-lo com sua primeira máquina fotográfica, uma Polaroid SX-70. Em 1972, conheceu seu mais importante mecenas, Sam Wagstaff, e começou a trabalhar com câmeras degrande formato. Montou seu próprio estúdio em 1976, já com sua principal ferramenta de trabalho, uma Hasselblad, e uma pequena teleobjetiva que servia basicamente para retratos, além de fundos neutros e flashes. Passaram por suas lentes nomes como Andy Warhol, Debbie Harry, Richard Gere, Grace Jones e Peter Gabriel. Ganhou fama e popularidade ao contribuir para revistas como Vogue e Esquire, mas consagrou-se na cena cultural quando chegou aos museus. Em 1977, realizou duas importantes exposições: uma dedicada à fotografia de flores, outra a nus masculinos e iconografia sadomasoquista.

Iggy Pop, 1981. Foto: Robert Mapplethorpe.

Louise Bourgeois, 1982. Foto: Robert Mapplethorpe.

Em uma época em que a homossexualidade ainda estava distante das manifestações artísticas do século 20, Mapplethorpe explorou ora com delicadeza, ora com brutalidade, o nu masculino, o sexo entre homens e o sadomasoquismo. Mesmo que esses temas bastassem para que causassem controvérsia, suas imagens também apresentavam um conflito: o duplo papel do retratista como observador e participante. A polêmica atingiu seu auge décadas depois, até mesmo após o falecimento de seu autor. Em 1990, a polícia invadiu uma exposição póstuma em Cincinnati e processou o museu Contemporary Arts Center of Cincinnati criminalmente pela mostra – um caso único nos Estados Unidos.

Lowell Smith, 1981. Foto: Robert Mapplethorpe.

Derrick Cross, 1983. Foto: Robert Mapplethorpe.

Como evidenciam as imagens que ilustram este post, trata-se de um fotógrafo cuja complexidade e originalidade reside justamente na aparente simplicidade das fotografias. Sua expressão subtrai elementos que muitos considerariam indispensáveis, resultando em imagens ambíguas e misteriosas. Em seus últimos anos, já consagrado, desenvolveu temas e estéticas mais clássicas. Retratou celebridades contemporâneas, continuou seus estudos de flores e faleceu prematuramente aos 42 anos, vítima de HIV.

Lisa Lyon, 1982. Foto: Robert Mapplethorpe.

Skull, 1988. Foto: Robert Mapplethorpe.

Comments are closed.