Skip to content

11 de julho de 2014

Musuk Nolte e Leslie Searles na Amazônia peruana

As imagens deste post integram o livro Piruw dos fotógrafos Musuk Nolte e Leslie Searles. A publicação traz registros de viagens dos fotógrafos a regiões da Amazônia peruana habitadas por povos nativos. Um olhar particular em direção a lugares de difícil acesso.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

Os Shawi, também conhecidos como Chayahuitas, são um dos grupos fotografados. Segundo informações do Rain Forest Movement, eles habitam um território nas bacias dos rios Paranapuras e Cahuapanas, que pertence às províncias peruanas do Alto Amazonas e de San Martín. Estão agrupados em cerca de 180 comunidades e partilham uma organização social e um sistema de representação simbólica. Além de caçadores e coletores, são também horticultores e pescadores.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

Os Asheninka são outro povo nativo com o qual os fotógrafos tiveram contato. Com parte de sua população vivendo no Brasil, é no Peru, no entanto, onde se concentra a maior parte de seus integrantes. Eles são o segundo maior grupo de nativos da Amazônia peruana, sendo superados apenas pelos Quechua. Vivem da caça e da pesca, usando arco e flecha e lanças, e também da coleta de frutas e vegetais. Parte de sua população também tem sua subsistência fundada na agricultura.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

Analisando a publicação para a revista Emaho, o crítico espanhol Alejandro Castellote aponta que, para os fotógrafos, o uso do preto e branco é uma forma de mesclar os tempos que coexistem no país. “O Peru que eles apresentam está no meio da escuridão. Essa pode ser a única forma de sugerir a extensão do que eles não sabem. A narrativa do encontro com seus pares peruanos é, sem dúvida, a prova da sua própria alteridade, a impossibilidade de preencher as lacunas escuras da história”, interpreta Castellote.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

Piruw é o álbum de uma jornada emocional. Não há mapas; o mapa existe somente no discurso político. Não há História, mas histórias. O que não pode ser nomeado aqui é simplesmente apresentado”, conclui Castellote. De fato, o mistério é um elemento fundamental das imagens, que por vezes dão a ver somente contornos dos seres que vivem na região, em simbiose com a natureza que os cerca.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

Nascido em 1988, na Cidade do México, Musuk Nolte é formado pelo Centro de la Imagen de Lima. Já realizou cinco exposições individuais e participou de diversas mostras coletivas em países como Brasil, China, Espanha, Estados Unidos e Singapura. Entre outros prêmios, em 2011 ficou em primeiro lugar no concurso espanhol Fotografía Humanitaria Juan Bartolomé.

Foto: Musuk Nolte

Foto: Musuk Nolte

O livro Piruw foi escrito em uma coautoria de Musuk com a peruana Leslie Searles. Nascida na cidade de Arequipa, em 1978, estudou Ciências da Comunicação na Universidade de Lima. Mais tarde, Leslie realizou especializações em fotografia na London College of Communication e em artes pela Gerrit Rietvelt Academy de Amsterdam.

Comments are closed.