Skip to content

4 de agosto de 2015

Mary Stuart: noturnos silenciosos

 

 

Explorando luzes baixas, Mary Stuart revela um cotidiano ao mesmo tempo ordinário e misterioso. A série Monroe, que apresentamos no post de hoje, traz um olhar para momentos da noite de Roma, cidade natal da fotógrafa.

 

 

 

Uma das principais inspirações de Mary são os quadros de Edward Hopper. Assim como nas pinturas do artista norte-americano, a solidão é um dos temas que ganham evidência nas imagens da fotógrafa.

 

 

 

Seja em espaços externos ou em ambientes domésticos, Mary confere protagonismo à presença de luzes nas fotografias. É a partir delas que a presença humana é sugerida nas imagens.

 

 

 

Nas fotos de Mary não há qualquer dramatismo, apenas a potência de histórias que parecem estar prestes a acontecer. Por mais que o espectador busque pistas, elas escapam, e as fotos se tornam ainda mais silenciosas.

 

 

Comments are closed.