Skip to content

1 de fevereiro de 2012

Berenice Abbott: a fotógrafa de Nova Iorque.

Berenice Abbott Portrait. Foto: Walker Evans.

Nascida em 1898 em Springfield, Ohio, nos Estados Unidos, Berenice Abbott é célebre por sua documentação fotográfica de Nova Iorque, cidade que adotou como sua ainda na adolescência.

A. Zito's Bakery, Bleecker Street, New York, 1947. Foto: Berenice Abbott.

115 Jay Street Brooklyn New York, 1936. Foto: Berenice Abbott.

Com fortes ambições artísticas, Abbott largou a Universidade de Ohio para juntar-se a uma das mais modernas trupes de teatro de Nova Iorque, o Provincetown Players. Depois de uma temporada dividindo-se entre o grupo de vanguarda e o curso de Jornalismo, decidiu aprender artes na Europa. Estudou com o escultor Emile Bourdelle em Paris e, em 1921, foi apresentada ao fotógrafo surrealista Man Ray, de quem se tornaria assistente. Como sua pupila, aprendeu a fazer e amar fotografia, abrindo seu próprio estúdio três anos depois. Por seu atelier passaram clientes como Jean Cocteau e James Joyce. Em 1926, Abbott realizou sua primeira exposição.

James Joyce, 1926. Foto: Berenice Abbott.

Jean Cocteau in Bed with Mask, Paris, 1927. Foto: Berenice Abbott.

Por intermédio de seu mestre Man Ray, conheceu o trabalho de Eugène Atget, que a influenciou de forma profunda. Ao retornar a Nova Iorque, a princípio apenas para encontrar um editor disposto a publicar as imagens de Atget, decidiu ficar e concretizar seu desejo de clicar a cidade de forma original, como ele havia feito em Paris. Fechou seu estúdio e fotografou por conta própria durante seis anos, sustentada pela atividade de professora na New School of Social Research.

Canyon, Broadway and Exchange Place, 1936. Foto: Berenice Abbott.

John Watts Statue, From Trinity Church Looking Toward One Wall Street, 1938. Foto: Berenice Abbott.

Em 1935, foi chamada pelo governo para concretizar uma iniciativa intitulada Changing New York. Mais do que um registro oficial, tratava-se de um projeto sociológico cujo objetivo era mostrar a transição para a modernidade que caracterizava a cidade na década de 1930, com arranha-céus recém construídos e pontes de metal modificando o cenário da metrópole. Além disso, Abbott queria retratar a interação entre três aspectos urbanos fundamentais: a diversidade de seus moradores; os locais onde viviam, trabalhavam e se divertiam e suas atividades diárias. Influenciada pelos escritos de Lewis Mumford, tinha como seu maior objetivo mostrar que o ambiente era uma consequência do comportamento coletivo e vice-versa.

Fulton Fish Market, New York, 1930. Foto: Berenice Abbott.

Fulton Street Fish Market, New York, 1935. Foto: Berenice Abbott.

Sunday Afternoon, Colliersville, Tennessee, 1935. Foto: Berenice Abbott.

Publicado em 1939, Changing New York foi o mais famoso de seus trabalhos. Ela também publicou o Guide to Better Photography (1941) (um “guia para a melhor fotografia”, em livre tradução). Em 1950, trabalhando como professora, passou a criar imagens que ilustravam as leis da física. No fim de sua vida, contraiu um efisema pulmonar — resultado de muitos anos respirando produtos químicos para revelar filmes. Berenice morreu em 1991, aos 93 anos.

Old New York Penn Station, main concourse,1935. Foto: Berenice Abbott.

South Street and Jones Lane, Manhattan, 1936. Foto: Berenice Abbott.

Water and Dock Streets, Dumbo, Brooklyn, Yuban Warehouse, 1936. Foto: Berenice Abbott.

 

Comments are closed.