Skip to content

Posts from the ‘Tipologia’ Category

28
mar

Katharina Fitz: transformações urbanas em Málaga, Espanha

 

 

O interesse pelas transformações arquitetônicas e sociais de Málaga, na Espanha, motivam a série Paracosmos da fotógrafa austríaca Katharina Fitz. Casas de dois vilarejos de pescadores – Pedregalejo e El Palo – compõem um importante patrimônio cultural da cidade e são retratadas nas imagens. O principal elemento que se revela nesse abordagem é a forma como Fitz interfere nas fotografias, alterando seu entorno.

 

 

 

 

No texto que acompanha a série, a fotógrafa narra que esses vilarejos se transformaram de forma drástica nos últimos anos, tornando-se um importante ponto turístico da região. O crescimento econômico, na visão de Fitz, veio acompanhado de uma perda do espírito comunitário do local, bem como de suas características arquitetônicas.

 

 

 

 

“A perda parcial do senso de comunidade de um vilarejo de pescadores que antes era efervescente é ilustrado pelo isolamento visual das casas. Essa abordagem foca a atenção dos espectadores no caráter único de cada edificação. As casas se transformam em protagonistas”, explica a fotógrafa. “Crio meu próprio paracosmos – um mundo vivo e artificial em combinação com um pano de fundo social e urbano”, completa.

 

 

 

 

Nascida em 1985, na Áustria, Katharina Fitz estudou cultura e língua espanhola na Universidade de Barcelona e fotografia no Instituto de Sant Ignasi de Sarria, também na capital catalã. Atualmente cursa o Master of Art in Fine Arts na Nottingham Trent University, no Reino Unido. Seu trabalho busca fazer uma crítica da relação humana com o espaço urbano, revelando estruturas, processos, transformações e problemas que fazem parte dessa interação.

 

 

 

 

6
dez

Stacey Baker e as pernas de Nova York

 

 

Em seu tempo livre, a fotógrafa Stacey Baker, integrante do time de editores de fotografia da The New York Times Magazine, passou a fazer uma tipologia que apresenta Nova York e seus habitantes de forma bastante peculiar. Com seu iPhone, ela começou a fotografar as pernas de mulheres que encontrava em seus percursos pela cidade.

 

 

 

 

“Sempre prestei atenção nas pernas de outras mulheres pois sempre quis que as minhas fossem maiores. Vivendo em Nova York, uma cidade onde se caminha muito, você percebe os corpos de outras pessoas”, conta a fotógrafa em entrevista à revista Time. “Eu via as pernas de alguém e pensava: ‘Gostaria de ter aquelas pernas’. Comecei então a fazer fotos e a pensar se aquilo era ou não interessante. Acho que não era até eu ter a ideia de encontrar muros e pedir a alguém para se colocar em frente”, explica.

 

 

 

 

Publicadas em sua conta no Instagram (@stace_a_lace), as fotos foram aos poucos atraindo mais e mais seguidores, totalizando atualmente mais de 78 mil pessoas. O projeto ganhou formato de livro, intitulado NY Legs, que reúne 93 imagens de um total de mais de mil fotos obtidas por Baker desde 2013.

 

 

 

 

O alcance do trabalho indica sua potência como tipologia de diferentes aspectos, que vão dos corpos às estampas, passando pela escolha dos calçados e pela combinação entre as peças. Como o próprio nome da publicação deixa evidente, as imagens das pernas, além de trazerem elementos individuais de cada pessoa fotografada, são de certa forma as próprias pernas de Nova York – como os membros de um ser humano, também fundamentais para a cidade ser o que é.

 

 

 

30
set

Eldar Zeytullaev: personalidades da fauna

 

 

Uma tipologia que convida o espectador a refletir sobre as distintas personalidades das plantas. O fotógrafo russo Eldar Zeytullaev explora a aparência da fauna e os significados que atribuímos a seus contornos. Com uma estética que lembra as fotografias do alemão Karl Blossfeldt, Zeytullaev apresenta espécies variadas contra um fundo branco, em imagens que remetem a desenhos.

 

 

 

 

“Todo esplendor e caos das qualidades pessoais estão dentro de uma pessoa e apenas esperam pelo momento de serem encontradas”, reflete o fotógrafo. “Resta observar como cada um vive e age em meio as fronteiras permeáveis da personalidade”, completa. Na visão de Zeytullaev, a flora segue uma lógica similar.

 

 

 

 

Embora o fotógrafo estabeleça essa relação entre plantas e humanos, as fotografias contêm quase nenhum dramatismo. As capturas são feitas com o mesmo tipo de luz, evitando sombras marcadas, como se fossem obtidas para um catálogo botânico. A série Planta Sapiens abre, assim, espaço para que novos significados se construam a partir de cada olhar.

 

 

 

 

Nascido em 1986, em Novorosiysk (Rússia), Eldar Zeytullaev estudou design gráfico na Universidade de Sholokhov. Desde 2009, já realizou duas exposições individuais em sua cidade natal, além de participar de diversas exposições coletivas e leituras de portfólio na Europa e nos Estados Unidos.