Skip to content

Posts from the ‘Retrato’ Category

4
jan

A diversidade retratada por Rubén Plasencia

Retrato de Rúben Plascencia
Retrato de Rúben Plascencia
Foto: www.laopinion.es

Rúben Plasencia é um fotógrafo espanhol que retrata em suas fotografias temas relacionados a preconceitos, culturas desconhecidas e emoções. Seu talento é reconhecido mundialmente, tendo concorrido a prêmios como o Festival Le Voyage à Nantes, em Nantes e o Festival Circulation, em Paris, ambos em 2014. Apesar de hoje ser um artista de sucesso, reconhece que sempre há uma fase conturbada na carreira de todos os artistas, fase que ele retratou em sua série ‘’O Artista Desconhecido”, produzida no ano de 2015.

The Unknown Artist

The Unknown Artist

The Unknown Artist

The Unknown Artist

 

Nesta obra, Plasencia retrata, como o próprio nome diz, os artistas desconhecidos. Pode ser ser observado que Plasencia oculta os rostos dos artistas e justifica essa escolha na descrição do seu projeto em seu próprio site.

“Eles começam sem rosto, sem referências, apenas com suas próprias ferramentas para enfrentar um mundo tão complexo da arte. Com apenas a melhor carta que poderiam ter: sua obra de arte.”

Rúben Plasencia começou a obter reconhecimento por suas obras algum tempo depois do início de sua carreira, sempre retratando aspectos que não são muito debatidos pela sociedade. Por exemplo, em “Luta Canária”, Plasencia retrata os lutadores da Canarian Wrestling”, uma luta tradicional do Oriente que é bastante desconhecida no Ocidente. Com isso, foca em uma cultura diferente daquela a qual estamos habituados.

Lucha Canaria

Lucha Canaria

Seu debate visual sobre culturas diferentes e preconceito atinge o ápice na obra Obscure, produzida em 2013. Nesta obra, pessoas cegas são fotografadas com intuito de debater sobre a “verdadeira essência do ser”.  A série fotográfica de Plasencia entra no assunto de preconceito, padrões de beleza e doenças genéticas, abrangendo assim uma série de assuntos polêmicos que não costumam ser debatidos pelas sociedades.

O site Lens Culture, traz um artigo escrito por Plasencia, no qual o fotógrafo explica suas fotografias, contando o que pensou ao realizá-las e o que quer transmitir com elas:

“Preconceitos e estereótipos racistas continuam a dominar nossas sociedades – julgamentos que são feitos em um nível que é apenas superficial. Em “Obscure”, criei retratos dos cegos. Esses rostos criam uma zombaria de nossa dependência irrefletida da visão. Um cego procura formas mais confiáveis de ler nas entrelinhas e entender as essências, não sendo mais capaz de recorrer à visão como o único meio confiável.”

Para o fotógrafo a importância do projeto está em nos colocar de frente aos olhos daqueles que não podem ver e que através disto possamos valorizar o que significa ter a visão.


Resultado de imagem para obscure ruben

Obscure

Resultado de imagem para obscure ruben

Obscure

Ainda longe de encerrar a carreira, Rúben Plasencia crava sua importância no mundo fotográfico e social, ao retratar em suas obras temas tão profundos e pouco debatidos.

Hub ESPM
7
dez

Lucia Fainzilber: Somewear

Antes de se especializar em fotografia de moda, Lucia Fainzilber, 32 anos, formou-se no Costume Making Design para Oficinas de Teatro, no Teatro Colon, na sua cidade natal, Buenos Aires, Argentina. Foi o curso que despertou seu interesse para o uso de cores e produção teatral em suas fotografias. Ali também nasceu sua inspiração para imagens conceituais que exploram roupas e tecidos.

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber
Foto: Lucia Fainzilber
Foto: Lucia Fainzilber, Série The Cookbook.

Foto: Lucia Fainzilber, Série The Cookbook.

Foto: Lucia Fainzilber, Série The Cookbook.

Foto: Lucia Fainzilber, Série The Cookbook.

“A fotografia é o meio em que todas as influências da sua vida convergem para dar voz ao seu mundo interior e poder se expressar por meio das imagens que ela cria”, afirma Lucia em entrevista à OCIMAG. Para ela, uma sessão de fotos é uma história contada por meio dos modelos envolvidos, como um filme. Pensamentos como esse a levaram a desenvolver o um projeto projeto pessoal em 2014, a série de autorretratos Somewear.

Em todas as fotos da série, Lucia está camuflada. “Esses retratos podem ser qualquer um de nós. É uma maneira de permitir que o espectador se coloque nesse lugar”, conta ela em entrevista ao britânico The Guardian. A fotógrafa procurou por locais e roupas que conversassem. “Encontrar esses padrões tem sido como um jogo. Mas, quando eles se encaixam, sua visão pode ser desafiada.”

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

Foto: Lucia Fainzilber

 

Também teve seus trabalhos divulgados em algumas exposições, as principais são Moment of Recognition, em Nova York, 2011, e My Truth, Your Truth, no International Center of Photography, em Nova York, 2012.

Conheça outros trabalhos da fotógrafa: https://www.luciafainzilber.com/

Redigido por Giovanna Sommariva
Hub ESPM

 

4
abr

Kristofer Dan-Bergman: retratos pós-conflitos na África

 

 

Ruanda, Burundi e Uganda são alguns dos países africanos que, nas últimas décadas, sofreram com graves conflitos, genocídios e migrações forçadas de milhares de pessoas. Na região, atuam instituições como a Global Good Fund, da qual o fotógrafo Kristofer Dan-Bergman é colaborador. Foi através dele que a ONG desenvolveu uma parceria com outra iniciativa, a Spark Micro Grants, que ajuda comunidades rurais pobres. Dessas articulações, nasceram as imagens que vemos no post de hoje.

 

 

 

 

Os retratos buscam restaurar – junto às demais propostas das entidades – um pouco da dignidade de pessoas que sofreram diversos traumas nos últimos anos. Dan-Bergman percorreu então diversos vilarejos do leste africano em busca dessas imagens, realizando também vídeos de entrevistas utilizados pela Spark Micro Grants para divulgar suas ações.

 

 

 

 

O fotógrafo conta que buscou apresentar seus personagens em meio à simplicidade de seus entornos, com todo o cuidado para não ser demasiadamente intrusivo. Os retratos escapam da dramatização excessiva, tampouco colocam os fotografados em posturas heroicas. Dan-Bergman parece querer mostrar que aquelas pessoas são gente, apenas, em busca de uma vida com o mínimo de condições para existir e voltar a sonhar.

 

 

 

 

Kristofer Dan-Bergman nasceu na Suécia e atualmente vive em Nova York. Já desenvolveu trabalhos de cunho social em países como Ruanda, Quênia e Camboja. Divide sua atuação também com projetos comerciais e pessoais, com exposições em diversas instituições.