Skip to content

Posts from the ‘Paisagem’ Category

21
out

A vida aquática de Silvie De Burie

 

 

O fascínio pela vida aquática faz com que a fotógrafa belga Silvie De Burie se desloque anualmente ao resort Portulano Dive, nas Filipinas, para fotografar recifes de corais. Ela passa períodos de três meses – de janeiro a março – no local, fazendo, ao todo, mais de cem mergulhos. Silvie chega a passar seis horas diárias embaixo d’água, alternando imersões que alcançam os 15 metros de profundidade.

 

 

 

 

A rotina habitual de Silvie transcorre na cidade belga de Gent, onde ela trabalha como guia turística, mas sua paixão pela vida submarina tem mais de uma década. Somente nos últimos anos, no entanto, ela passou a levar uma câmera consigo para registrar os recifes. Em entrevista à revista Wired, Silvie conta que o mais comum entre os mergulhadores é nadar sem dedicar maior atenção aos corais – os quais, para ela, são o verdadeiro tesouro dos mares.

 

 

 

 

“Cada fotografia revela um padrão gráfico colorido e fascinante, que se trata, na verdade, de uma colônia de pequeníssimos organismos. Os recifes dos oceanos estão aí há milhões de anos. Deveríamos dar atenção a esse grande baú de tesouros”, reflete a fotógrafa.

 

 

 

 

Silvie De Burie estudou artes audiovisuais, época em que começou a explorar a fotografia. Em seus mergulhos, usa lentes macro em câmeras devidamente protegidas da água, e ilumina os corais com duas unidades de flash eletrônico especialmente projetadas para fotografia submarina. Muitas vezes, segundo a fotógrafa, só no momento de tratar as imagens é que ela consegue ver, de fato, as cores e texturas, dada a dificuldade de enxergar com nitidez sem luz artificial. Uma dedicação, portanto, repleta de surpresas.

 

 

 

12
jul

Jody Miller: instantes que antecedem a tempestade

 

 

Com uma carreira de 40 anos como designer de produções de Hollywood, a fotógrafa Jody Miller desenvolveu um olhar atento para a dramaticidade – e a potência espetacular – dos fenômenos climáticos. No post de hoje, apresentamos a série Heavy Weather [Clima pesado], composta por imagens obtidas por Miller entre 2013 e 2015, no meio-oeste e no sudoeste dos Estados Unidos.

 

 

 

Além da exuberância das nuvens, outros elementos recorrentes nas fotografias complementam a atmosfera do sublime: as estradas que levam o olhar para o horizonte, o próprio horizonte por vezes “achatado” pelas tempestades que se aproximam e as construções humanas à mercê da força da natureza.

 

 

 

Na trajetória de Miller, um encontro com um mestre da fotografia foi fundamental para o desenvolvimento de sua atuação como fotógrafa. “Tive a sorte de participar do workshop de Ansel Adams em Carmel, na Califórnia, em 1982 – último ano em que ele deu aulas, antes de falecer, em 1984. A experiência de um estudo sério com alguns dos grandes fotógrafos do nosso tempo me mobilizou, com o passar dos anos, a produzir fotos cada vez mais ricas”, conta Miller.

 

 

 

Nascida em 1951, em Los Angeles, Jody Miller atuou por décadas na indústria do cinema e da televisão, desenvolvendo em paralelo seus trabalhos fotográficos. Desde 2007, participa de exposições nos Estados Unidos e na Europa, tendo também trabalhos publicados em diversos veículos especializados.

 

 

 

3
jun

O herbário terrestre de Evgeny Molodtsov

 

 

Uma reflexão em torno das paisagens e da existência humana na Terra. Em Earth Herbarium [Herbário terrestre], o russo Evgeny Molodtsov se apropria de diferentes registros para explorar a fragilidade dos seres humanos e sua relação com o ambiente ao seu redor.

 

 

 

 

“Esse projeto toma paisagens que foram transformadas de forma significativa pela ação do homem”, explica o fotógrafo. Molodtsov estabelece paralelos entre imagens capturadas no Google Earth e outras fotografias – plantas, posts do Instagram e fotos de Marte obtidas pela NASA.

 

 

 

 

“Combinadas, as séries convidam o espectador a examinar a interconexão global e a refletir sobre nosso lar – robusto, porém, definitivamente frágil”, conta o fotógrafo.

 

 

 

 

Nascido em Penza, Rússia, em 1987, Evgeny Molodtsov estudou economia e fotografia em Moscou e Bolonha. Desde 2012, vive em São Petersburgo, onde segue os estudos em fotografia. Dedica-se a investigar as fronteiras entre o real e o virtual na produção fotográfica contemporânea.