Skip to content

Posts from the ‘Paisagem’ Category

16
nov

O ato fotográfico para além da fotografia – Feco Hamburger

Retrato de Fico Hamburger

 

Fotógrafo, artista e professor, Fernando Império Hamburger, conhecido como Feco Hamburger, nasceu em 1970 em São Paulo, onde vive até hoje. Estudou Física na Unicamp e Linguística na USP, mas se aproximou da fotografia se especializando em fine-art printing. Em suas obras, explora a percepção do tempo na trama entre uma relação visível com a natureza e o contraditório.

Feco é irmão do cineasta, roteirista e produtor Cao Hamburger, que dirigiu, dentre outras obras, o programa infantil Castelo Rá-tim-bum de 1994 até 1997 e o filme Xingu em 2011.

De 1991 a 1994, trabalhou como assistente de Bob Wolfenson, referência nacional como retratista, fotógrafo de nus e de moda. Em 1996, quando abriu seu próprio estúdio, Hamburger fotografou em diversos lugares do Brasil e até mesmo fora do país para revistas, capas de livros, discos e agências de publicidade. De lá pra cá, trabalhou com diversas marcas, como MTV, Tim, Pampers, Marie Claire, entre outras. No começo dos anos 2000, voltou-se para a pesquisa de novas linguagens fotográficas e outras mídias.

Em entrevista para o site do Pivô, espaço de arte contemporânea, Hamburger diz não saber se tem um processo criativo claro, às vezes tem uma ideia que surge de algum pensamento ou de uma imagem.

Sua primeira exposição individual, Noites em Claro, foi realizada em 2004 na Pinacoteca de São Paulo.

Foto: Feco Hamburger

Foto: Feco Hamburger

Seu trabalho já foi exposto na Pinacoteca do Estado de São Paulo – onde também possui acervo de obras -, no Museu de Arte Moderna e no Paço Imperial, no Rio de Janeiro. Em 2012, recebeu o Prêmio Abril de Jornalismo na categoria de melhor ensaio fotográfico e menção especial no Prêmio Brasil de Fotografia.

“O campo da arte é onde posso trabalhar com grau máximo de liberdade, ainda que na medida elástica do possível. Entre o controle e o deixar existir, as relações. As porosidades, o vazio, o contraditório. O tempo”, diz Hamburger em seu site. O artista entende seu trabalho para além da fotografia. Para ele, o ato fotográfico é um ponto de partida “para lidar com a coisa, sua natureza e condição, e não mais com seu objeto”.

Seu mais recente trabalho, chamado de Eppur si Muove, referência a polêmica frase de Galileu Galilei: “no entanto, se move”. Este projeto tem como intuito desafiar os limites da fotografia e da representação, para o fotógrafo há um espaço/tempo elástico entre o documento fotográfico e o sonho de mundo, é nisto que Feco se interessa.

Foto: Feco Hamburger. Hayabusa ou O falcão peregrino, 2018, Jato de tinta sobre papel de algodão e aço inox, 100 x 150 cm

 

Foto: Feco Hamburger. Moby Dick 2, 2018, Impressão jato de tinta sobre papel de algodão 90x150cm.

EPPUR SI MUOVE 6

Foto: Feco Hamburger. Via Lactea 3 Lago com 1 objeto voador, 2018, Impressão jato de tinta sobre papel de algodão, aço inox 71x160cm.

Redigido por Rafaela Knevitz
Hub ESPM-Sul
9
nov

Fred Pompermayer e o mar: paixão e trabalho

Retrato de Fred Pompermayer

 

Fotógrafo brasileiro de surfe com maior reconhecimento no exterior, Fred Pompermayer, 38 anos, mora há 11 anos na Califórnia, lugar que escolheu para ficar mais perto de sua paixão – o mar. De Los Angeles, tem fácil acesso para viagens que possam surgir de última hora para diferentes regiões do mundo.

Formado em arquitetura, optou por buscar desafios que instiguem sua criatividade, focando desde cedo na carreira fotográfica. Seu diferencial está na prática de construir suas próprias caixas estanques, utilizadas nas câmeras para fotografias subaquáticas.

Renomado internacionalmente há mais de uma década, dedica-se a produções que retratam o Big Wave Surfing e os esportes de aventura. Suas fotos já foram publicadas em centenas de edições, entre elas, algumas das revistas mais prestigiadas de surfe do mundo, além de diversos livros. Marcas como Oakley, Quiksilver, Red Bull, Billabong, Volcom, Fox e SanDisk estão entre seus clientes.

Foto: Fred Pompermayer

Em entrevista para o site da RedBull, Fred diz que o olhar artístico está no seu DNA. “Minha família toda tem seu lado criativo e artístico, mas foi na faculdade de arquitetura que tive os primeiros contatos com equipamento fotográfico profissional”. Ele ainda fala que a fotografia é um maravilhoso meio de expressão. “Tenho o privilégio de fazer o que gosto, produzir imagens que toquem um sentimento, que façam as pessoas refletirem, algumas vezes aproximando-as de sentimentos como o medo, outras vezes a tranquilidade, o desafio…. Sempre com criatividade”.

Foto: Fred Pompermayer

Premiado mundialmente, recebeu, em 2012, o Prêmio Fluir de melhor capa e melhor foto. Entre os troféus mais importantes, está o XXL Awards, conhecido como o Oscar do surfe de ondas grandes. Desde 2007, Pompermayer já foi finalista diversas vezes, com suas imagens surpreendentes de esportes ao ar livre.

Atualmente ele faz parte do time de fotógrafos da SanDisk e RedBull, e fotografa para clientes como Oakley, Quiksilver, Patagonia, Oneil, Dakine, Billabong, Reef, Volcom, Fox, Xcel, HB, Suunto, Mitsubishi entre outros.

Foto: Fred Popermayer

Foto: Fred Pompermayer/Redbull

Redigido por Julia Barros
HUB ESPM-Sul 

30
out

Henrique Olsen: do asfalto de Porto Alegre para a natureza selvagem

Retrato Henrique Olsen

Foi nas ruas de Porto Alegre, em 2014, que Henrique Olsen, 24 anos, iniciou sua carreira na fotografia, com foco em skateboarding. Ele trabalhou como fotógrafo na empresa Matriz Skate Shop e tem imagens publicadas em sites especializados como Tribo Skate e The Berrics. Formado no nosso Curso Anual de Fotografia (ESPM-Sul, em Porto Alegre), ele é estudante de Publicidade e Propaganda e foi membro e funcionário do Centro de Fotografia, também aqui, na ESPM-Sul. Atualmente trabalha como freelancer.

Foto: Henrique Olsen

Há dois anos, a natureza passou a se tornar sua principal inspiração. Por meio da fotografia de natureza, Olsen deseja contar histórias com o intuito de emocionar as pessoas.

“Mesmo que eu conscientize e emocione apenas uma única pessoa, fico feliz”, afirmou o fotógrafo em entrevista ao portal G1.

Foto: Henrique Olsen

Nessa nova fase, viajou para diversos lugares, como Venezuela, Ilhas Galápagos, Bora Bora e Deserto do Atacama. “Antes de escolher um destino, sempre pesquiso muito sobre o local. Acesso, habitantes, histórias locais e principalmente a fauna e flora”. As imagens produzidas durante as viagens já foram compartilhadas nas redes sociais da National Geographic Brasil e BBC Brasil.

Em maio de 2018, Olsen expôs suas fotografias sobre as Ilhas Galápagos no Espaço Cultural ESPM-Sul, trabalho desenvolvido durante uma expedição de 20 dias.  Através das imagens o fotógrafo buscou conscientizar as pessoas a respeito das mudanças climáticas.

Foto: Henrique Olsen

Foto: Henrique Olsen
Conheça mais trabalhos do Henrique em:
www.henriqueolsen.com
@henriqueolsen
Redigido por Carolina Camejo
Hub ESPM