Skip to content

Posts from the ‘Paisagem’ Category

7
fev

Mankichi Shinshi: uma praia em baixa temporada

 

 

Um olhar particular para um dos locais mais populosos do mundo. O fotógrafo japonês Mankichi Shinshi buscou uma perspectiva incomum da praia de Qingdao, na baixa temporada do mês de maio, período em que o local está coberto pela neblina.

 

 

 

 

“Podia sentir que, em algum momento, aquele lugar esteve repleto de pessoas exuberantes. No vazio subsequente, tive uma sensação de perda. Me lembrou a sonolência antes do amanhecer, uma certa letargia confortável que eu queria preservar. Tentei reproduzir esse sentimento nas imagens”, conta o fotógrafo.

 

 

 

 

A série sugere certa ideia de suspensão, característica das épocas de baixa temporada. Mais do que um registro, no entanto, Shinshi transmite uma noção subjetiva dessa paisagem, que leva o contexto específico de Qingdao a um patamar universal de nossa relação com o tempo e o espaço.

 

 

 

 

 

Nascido em 1984, no Japão, Mankichi Shinshi atua na Ásia, buscando pontos de contato entre imaginários sociais e sua visão particular de coisas, pessoas e lugares. Já foi premiado em diversos concursos na Ásia, na Europa e nos Estados Unidos.

6
jan

Petros Koublis: paisagens do entorno ateniense

 

 

Os arredores de Atenas são o tema do ensaio In Landscapes [Nas paisagens], do fotógrafo grego Petros Koublis. Em sua reflexão sobre o ensaio, Koublis não deixa de tomar o urbano como ponto de partida para desenvolver o trabalho, com a particularidade dos recentes tempos de crise que colocaram a capital grega no centro das discussões sobre os rumos do capitalismo e da União Europeia. “É um silêncio prolongado [ao redor de Atenas] que parece cercar o choro alto e desesperado que sai da cidade”, observa.

 

 

 

 

Não só o silêncio – em oposição ao ruído – como também as diferenças temporais entre o espaço urbano e suas margens que interessam ao fotógrafo: a aparente imutabilidade da natureza em contraste com as transformações repentinas e radicais da vida de Atenas. Além disso, também as trocas entre o ser humano e seu entorno – a forma como habita e se deixa habitar pelas paisagens – é um dos focos de interesse de Koublis.

 

 

 

 

“A paisagem é um estado ilimitado. Não se restringe à área visível diante dos nossos olhos. Estende-se por uma distância indefinida, alcançando os limites da nossa interpretação sobre nós mesmos e sobre o mundo ao nosso redor, pois cada paisagem se define em algum momento como o vasto campo aberto onde nossos pensamentos e sentimentos se encontram com o mundo exterior. É um campo imaginário e real ao mesmo tempo, um estado perpétuo e uma revelação momentânea”, reflete o fotógrafo.

 

 

 

 

Nascido em 1981, Petros Koublis atua como fotógrafo desde 2000. Fotografa e escreve para sites e revistas ao redor do mundo, incluindo a edição norte-americana do The Huffington Post, além de desenvolver projetos pessoais. Atualmente, vive entre Nova York e Atenas.

 

 

 

 

2
dez

Brenda Biondo: paisagens do oeste norte-americano

 

 

A série Remnants & Revival [Remanescentes e revitalização], da fotógrafa norte-americana Brenda Biondo, busca inspiração na tradição de documentação do oeste norte-americano no século 19, antes da chegada massiva dos colonizadores europeus, como também nos fotógrafos que, ao longo do século 20, acompanharam as relações entre homem e natureza na região.

 

 

 

 

As imagens da série mostram áreas com plantas remanescentes e locais onde há esforços para a recuperação de ecossistemas. “Tendo escrito sobre assuntos ambientais por nove anos, como jornalista freelance, quis usar a fotografia para examinar questões a respeito do uso e preservação da terra no oeste norte-americano”, conta Biondo.

 

 

 

 

Os dípticos combinam fotos de plantas (nativas, invasivas ou introduzidas) com imagens de paisagens do estado do Colorado onde as plantas eventualmente podem ser encontradas. “Ao focar em aspectos micro e macro do ambiente natural, os dípticos aludem não apenas a objetivos estéticos como também à funcionalidade dos ecossistemas”, explica a fotógrafa.

 

 

 

 

Nascida em Nova York, em 1963, Brenda Biondo estudou jornalismo na Universidade James Madison. Seu trabalho fotográfico, ao longo de mais de 30 anos, tem como foco três áreas: imagens abstratas, questões de preservação da natureza e a forma como artefatos culturais adquirem diferentes camadas temporais. Além de inúmeras exposições, suas fotografias já foram publicadas em periódicos como The Wall Street Journal e The Washington Post e fazem parte de coleções privadas e públicas, como a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.