Skip to content

Posts from the ‘Fotografia de Natureza’ Category

18
jan

O olhar de Sophie Gamand sobre os Pit Bulls.

Retrato de Sophie Gamand

A fotógrafa Sophie Gamand é uma defensora dos animais, atualmente trabalha e vive em Nova York. Sophie descobriu a fotografia de animais em 2010, de lá para cá ela tem se concentrado em registrar o relacionamento entre os cães e seus tutores. Segundo a fotógrafa, ela fotografa os cães para entender melhor os humanos.

“Os cães são o primeiro – e mais impressionante – exemplo de seleção artificial. Agindo como deuses, os homens criavam cães, manipulavam sua genética para satisfazer suas próprias necessidades e desejos. Nós subjugamos uma espécie inteira. Acredito que isso deve nos dar uma tremenda responsabilidade em relação aos cães, e a maneira como os tratamos fala muito sobre nossa própria sociedade humana e nossas deficiências”, conta a fotógrafa em seu site.

O trabalho de Sophie Gamand já foi apresentado aqui há alguns anos atrás, quando ela publicou sua série chamada Wet Dogs, que apresenta retratos de cães de diversas raças molhados durante a hora do banho. Através deste projeto, Sophie ganhou vários prêmios, entre eles o Sony World Photography Award em 2014.

Foto: Sophie Gamand – Wet Dog

Durante os primeiros anos de seu trabalho, Sophie acabou se deparando com diversos abrigos de animais abandonados e passou a frequentá-los. Hoje, ela viaja pelos Estados Unidos fotografando cães de abrigos gratuitamente, a fim de ajudá-los a encontrar um lar. Ela encontrou na fotografia, uma forma de colaborar para a causa animal.

Como muitos de nós, ela tinha medo dos cães da raça Pit Bull, mas ao frequentar os abrigos, percebeu que precisava conhecê-los melhor. Sophie percebeu que essa reputação, de cão violento, é injusta e vem definindo o destino de milhares de cães que acabam por definhar em abrigos de todo mundo. Muitos destes animais, em torno de 800 mil de 1 milhão de Pit Bulls, são sacrificados a cada ano nos abrigos da América do Norte.

Ainda hoje, esses cães são demonizados pela sociedade, tornando-os os mais temidos, odiados e abusados de todos os animais de companhia. Em alguns países a raça já foi banida, enquanto isto a mídia insiste em associá-los à maldade.

O curioso é que no século XIX, os Pit Bulls eram conhecidos por cuidar das crianças enquanto os adultos iam para o campo, eram inclusive chamados de cães babás. Um dos maiores adestradores de cães, Cesar Millan conta que o uso destes cães para “lutar” contra grandes animais, como touros, e até mesmo entre animais da mesma raça (prática chamada de rinha de cães) foi, e ainda é, utilizada como entretenimento pela raça humana. E, com isto, esses cães acabaram por ser reconhecidos como cães muito dominantes, muito possessivos e muito agressivos, porém isto é uma característica baseada na determinação, o que pode ser uma qualidade da personalidade do animal, o que conta é para onde você vai direcionar essa energia? Cães determinados podem aceitar muito bem qualquer “trabalho”. Na história existem vários exemplos de cães da raça Pit Bull como cães babás, cães de guerra, cães de serviço à comunidade.

Fonte: Portal Uol

Imagem relacionada

Filme “Os batutinhas” de 1994. Fonte: Portal R7

É justamente contra este estigma que Sophie trabalha desde 2014. Ela fotografa Pit Bulls que aguardam adoção, sua intenção ao fotografá-los não é apenas promover para adoção, mas também desestigmatizar estes animais cuja a reputação de violência diz mais sobre a raça humana do que sobre os próprios cães. Os retratos de Sophie celebram a personalidade inerente, vulnerabilidade e individualidade de cada um destes cães. O projeto, intitulado “Power Flower, Pit Bulls of the Revolution”, já salvou centenas de cães da injeção letal. O projeto de Gamand foi publicado em um livro com cerca de 500 retratos de Pit Bulls de abrigos.

Foto: Sophie Gamand – Projeto Flower Power

Foto: Sophie Gamand – Projeto Flower Power

Foto: Sophie Gamand – Projeto Flower Power

Fonte: Free People Blog

“A humanidade domesticou os cães milênios atrás. Somos responsáveis por eles”, diz a fotógrafa.

Muito mais do que fotografia, o trabalho de Sophie Gamand mostra que todos nós somos responsáveis por este mundo e que com nossas habilidades podemos sim, mudar o mundo.

E se você pudesse usar a fotografia para o bem da humanidade, o que você faria?
Veja mais sobre o trabalho de Sophie Gamand no site: http://www.sophiegamand.com

9
nov

Fred Pompermayer e o mar: paixão e trabalho

Retrato de Fred Pompermayer

 

Fotógrafo brasileiro de surfe com maior reconhecimento no exterior, Fred Pompermayer, 38 anos, mora há 11 anos na Califórnia, lugar que escolheu para ficar mais perto de sua paixão – o mar. De Los Angeles, tem fácil acesso para viagens que possam surgir de última hora para diferentes regiões do mundo.

Formado em arquitetura, optou por buscar desafios que instiguem sua criatividade, focando desde cedo na carreira fotográfica. Seu diferencial está na prática de construir suas próprias caixas estanques, utilizadas nas câmeras para fotografias subaquáticas.

Renomado internacionalmente há mais de uma década, dedica-se a produções que retratam o Big Wave Surfing e os esportes de aventura. Suas fotos já foram publicadas em centenas de edições, entre elas, algumas das revistas mais prestigiadas de surfe do mundo, além de diversos livros. Marcas como Oakley, Quiksilver, Red Bull, Billabong, Volcom, Fox e SanDisk estão entre seus clientes.

Foto: Fred Pompermayer

Em entrevista para o site da RedBull, Fred diz que o olhar artístico está no seu DNA. “Minha família toda tem seu lado criativo e artístico, mas foi na faculdade de arquitetura que tive os primeiros contatos com equipamento fotográfico profissional”. Ele ainda fala que a fotografia é um maravilhoso meio de expressão. “Tenho o privilégio de fazer o que gosto, produzir imagens que toquem um sentimento, que façam as pessoas refletirem, algumas vezes aproximando-as de sentimentos como o medo, outras vezes a tranquilidade, o desafio…. Sempre com criatividade”.

Foto: Fred Pompermayer

Premiado mundialmente, recebeu, em 2012, o Prêmio Fluir de melhor capa e melhor foto. Entre os troféus mais importantes, está o XXL Awards, conhecido como o Oscar do surfe de ondas grandes. Desde 2007, Pompermayer já foi finalista diversas vezes, com suas imagens surpreendentes de esportes ao ar livre.

Atualmente ele faz parte do time de fotógrafos da SanDisk e RedBull, e fotografa para clientes como Oakley, Quiksilver, Patagonia, Oneil, Dakine, Billabong, Reef, Volcom, Fox, Xcel, HB, Suunto, Mitsubishi entre outros.

Foto: Fred Popermayer

Foto: Fred Pompermayer/Redbull

Redigido por Julia Barros
HUB ESPM-Sul 

30
out

Henrique Olsen: do asfalto de Porto Alegre para a natureza selvagem

Retrato Henrique Olsen

Foi nas ruas de Porto Alegre, em 2014, que Henrique Olsen, 24 anos, iniciou sua carreira na fotografia, com foco em skateboarding. Ele trabalhou como fotógrafo na empresa Matriz Skate Shop e tem imagens publicadas em sites especializados como Tribo Skate e The Berrics. Formado no nosso Curso Anual de Fotografia (ESPM-Sul, em Porto Alegre), ele é estudante de Publicidade e Propaganda e foi membro e funcionário do Centro de Fotografia, também aqui, na ESPM-Sul. Atualmente trabalha como freelancer.

Foto: Henrique Olsen

Há dois anos, a natureza passou a se tornar sua principal inspiração. Por meio da fotografia de natureza, Olsen deseja contar histórias com o intuito de emocionar as pessoas.

“Mesmo que eu conscientize e emocione apenas uma única pessoa, fico feliz”, afirmou o fotógrafo em entrevista ao portal G1.

Foto: Henrique Olsen

Nessa nova fase, viajou para diversos lugares, como Venezuela, Ilhas Galápagos, Bora Bora e Deserto do Atacama. “Antes de escolher um destino, sempre pesquiso muito sobre o local. Acesso, habitantes, histórias locais e principalmente a fauna e flora”. As imagens produzidas durante as viagens já foram compartilhadas nas redes sociais da National Geographic Brasil e BBC Brasil.

Em maio de 2018, Olsen expôs suas fotografias sobre as Ilhas Galápagos no Espaço Cultural ESPM-Sul, trabalho desenvolvido durante uma expedição de 20 dias.  Através das imagens o fotógrafo buscou conscientizar as pessoas a respeito das mudanças climáticas.

Foto: Henrique Olsen

Foto: Henrique Olsen
Conheça mais trabalhos do Henrique em:
www.henriqueolsen.com
@henriqueolsen
Redigido por Carolina Camejo
Hub ESPM