Skip to content

Posts from the ‘Entrevistas’ Category

9
dez

Curso Anual de Fotografia encerra 2016 com apresentação de projetos dos alunos

 

 

“Tu aprendes a dar um novo sentido para o próprio olhar fotográfico, o que é até engraçado porque, depois de certo tempo, tu começas a enxergar potencial para uma boa foto nas cenas mais simples do cotidiano. Posso dizer que decidir fazer o curso foi uma das melhores decisões que eu tomei na minha vida até agora, sem sombra de dúvidas. Faria tudo de novo.” Assim a fotógrafa Camila de Oliveira define sua trajetória ao longo do Curso Anual de Fotografia, que concluiu suas atividades de 2016 no mês de dezembro.

 

 

 

 

Duas turmas completaram a formação oferecida pelo Centro de Fotografia da ESPM-Sul em uma apresentação de projetos com os professores Clovis Dariano, Eduardo Veras e Fernando Bakos, que compuseram a banca, avaliando os projetos e sugerindo possíveis abordagens para futuros trabalhos dos alunos. “Quando comecei não tinha nenhuma técnica em fotografia, porém muita curiosidade. A troca de experiência com os professores e colegas me possibilitou conhecer um pouco desse mundo infinito da fotografia”, ressaltou a fotógrafa Jacqueline Baptista após a apresentação do seu trabalho.

 

 

 

 

A transformação na relação com a fotografia, proporcionada pela formação, é unânime nos comentários dos alunos. “O curso abriu milhares de portas de criação e imaginação no meu processo fotográfico. Entrei como amadora e hoje tenho a fotografia como profissão”, afirmou a fotógrafa Aline Brandão. Os projetos desenvolvidos seguem sendo trabalhados e revistos pelos fotógrafos nas carreiras que ganham forma a partir das experiências com colegas e professores no Curso Anual de Fotografia.

 

25
nov

Memórias e paisagens nas calçadas de Porto Alegre, de Vera Carlotto

 

 

“Para mim, muitas vezes, caminhar olhando para baixo é um ato de reflexão. Nesse caminhar me deparei com desenhos sob meus pés. Sempre digo que a pedra me escolheu, e eu pude ver os grafismos contidos nela.” Assim a fotógrafa Vera Carlotto descreve a gênese do projeto que deu origem à exposição Calçadas – Pedras, memórias e pulsações, em cartaz nas Salas Negras do MARGS até 15 de janeiro.

 

 

 

 

 

A mostra apresenta 27 imagens que revelam grafismos – “camadas de rastros, respirações, pulsações, memórias, cores, linhas e formas”, nas palavras da fotógrafa – encontrados em superfícies de pedra basáltica das calçadas de Porto Alegre. Fora do MARGS, as fotografias que compõem a série também foram instaladas em calçadas da Praça Germânia, do Instituto Ling e do bairro Petrópolis (nas ruas Cel. Corte Real, Dario Pederneiras e Professor Langendonck).

 

 

 

 

 

Ao longo de cinco anos, percorrendo em torno de cinquenta ruas da cidade, foram capturadas mais de três mil imagens. “Os desenhos na superfície são fósseis, frutos da penetração de elementos da natureza na rocha, da riqueza de minerais que ela possui, da forma de extração e da exposição a intemperes”, descreve. As fotografias se dividem em três eixos: Natureza – remetendo a trabalhos de artistas chineses de diferentes séculos –, Rupestres – fazendo alusão a desenhos pré-históricas – e Curvas – linhas e fragmentos com inspiração na obra da artista Tomie Othake.

 

 

 

 

 

A fotógrafa destaca o desenvolvimento dos primeiros passos do trabalho durante o Curso Anual de Fotografia da ESPM-Sul. “A discussão com colegas e professores foi muito rica e impulsionou meu projeto. A partir daí passei a buscar mais imagens nas calçadas”, relembra Vera. Entre outros momentos, ela destaca a sugestão dos professores para explorar arquivos de imagens antigas que havia produzido, bem como as inúmeras sugestões de referências e abordagens. Nascida em 1962, em Porto Alegre, Vera Carlotto é formada pelo Curso Anual de Fotografia da ESPM-Sul (2014). Nos anos 1990, viveu em Londres, dedicando-se à escultura e a estudos na Richmond Adult & Community College. Já realizou exposições como Portonírico (2012), na sala J.B. Scalco do Solar dos Câmara, e Mosaicografia (2016), no largo Glênio Peres, ambas na capital gaúcha, entre outras mostras.

 

Calçadas – Pedras, memórias e pulsações, de Vera Carlotto
Salas Negras do MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Praça da Alfândega, s/n° – Centro Histórico de Porto Alegre)
Até 15 de janeiro, sempre de terça-feira a domingo, das 10h às 19h

 

12
abr

Os percursos da Lapa à Vila Mimosa, de Schari Kozak

 

Foto: Manuel da Costa

 

Resultado de uma imersão nas ruas do Rio de Janeiro ao lado de quem vive intensamente o calor do asfalto carioca, o ensaio Brutal Corre: da Lapa à VM, da fotógrafa Schari Kozak, está em cartaz no Espaço Cultural ESPM-Sul até 14 de maio. As imagens – apresentadas pela fotógrafa como trabalho de conclusão no curso de Jornalismo da ESPM-Sul – mostram a rotina do grupo de corrida Brutal Corre, surgido do coletivo Brutal Crew, que desde 1999 dissemina o rap e o hip hop, dando oportunidade a novos talentos da capital fluminense.

 

 

 

 

Ao longo de cinco meses, entre julho e novembro de 2015, Schari acompanhou – correndo ou de bicicleta – percursos de cinco quilômetros realizados entre o bairro da Lapa e a Vila Mimosa, uma das mais antigas áreas de prostituição da cidade, localizada na zona norte do Rio. “Foi uma experiência extremamente gratificante e desafiadora, não só como trabalho, mas também em relação aos limites do meu corpo”, conta a fotógrafa. Muito além do registro da prática de um exercício físico, as imagens revelam uma certa experiência do espaço urbano de pessoas que buscam outro tipo de relação com a cidade, rompendo preconceitos e interdições de barreiras sociais.

 

 

 

 

Schari destaca a transformação na rotina da VM – apelido da Vila Mimosa –  ao final das corridas, que fazem parte de uma parceria da Brutal Corre com o Interferência Sistema de Som (tradicional sound system carioca). “Essa energia me contagiou já no primeiro encontro com a Brutal Corre. Foi na reta final, depois de cruzar prédios históricos e muros pichados, ouvindo ecoar o grito que pedia passagem – ‘Brutal: só sinistro!’ –, vendo a diversidade de cores e de pessoas que povoavam a Vila Mimosa, que percebi o quanto gostaria de fazer parte daquilo de alguma forma”, relembra a fotógrafa.

 

 

 

 

Ex-monitora do Centro de Fotografia da ESPM-Sul, Schari Kozak é fotógrafa freelance. Vivendo atualmente no Rio de Janeiro, desenvolve pesquisas, projetos pessoais e trabalhos de caráter jornalístico e publicitário relacionados ao esporte. Além de Só sinistro, outros ensaios estão disponíveis em seu portfólio virtual.

 

Exposição Brutal Corre: da Lapa à VM, de Schari Kozak
Espaço Cultural ESPM-Sul
Rua Guilherme Schell, 268
Visitação: de segunda à sexta-feira, das 8h às 22h; sábados, das 9h às 15h.