Skip to content

Archive for novembro, 2018

30
nov

A fotografia vertical e reflexiva de Nana Moraes

 

Com mais de mil capas de revistas e editoriais, Nana Moraes, 55 anos, tem a sua fotografia voltada para ensaios de moda e beleza. Embora seja formada em jornalismo pela PUC de São Paulo, exerce a profissão de fotógrafa há 29 anos para os mercados editoriais, culturais e publicitários.

Foto: Nana Moraes

Foto: Nana Moraes

Foto: Nana Moraes

Seis vezes vencedora do Prêmio Abril de Jornalismo, Nana participou de várias exposições coletivas, tendo destaque em A Imagem do Som da MPB, em 2006; A Imagem do Som do Samba, em 2008 e Eternal Feminine Plural, na International Labor Organization, em 2011.

Ela crê que pode ajudar as pessoas a refletirem por meio da sua arte. Por motivos como esse, ela está realizando um projeto pessoal com fotografias de pessoas marginalizadas. Publicou o livro “Andorinhas”, o qual reúne imagens e relatos de cinco garotas de programa. “Acredito que o bom retrato é aquele que expressa o Outro. Meu processo de trabalho é sempre vertical. Costumo estudar, pesquisar ou me atualizar, sempre com a preocupação de propor caminhos para revelar a personalidade de quem será fotografado”, contou a fotógrafa, em entrevista a Medium Corporation. Este projeto também foi exposto na Casa de Cultura de Paraty no Festival Paraty em Foco, no ano de 2017.

Foto: Nana Moraes

Foto: Nana Moraes

Redigido por Giovanna Sommariva
Hub ESPM-Sul

26
nov

8a Edição do Concurso Fotografia Móvel

Ainda dá tempo se você se organizar e participar da Oitava edição do Concurso de Fotografia Móvel. O Concurso foi criado em 2011, a fim de reconhecer e celebrar os talentos da fotografia de celular.

      Srebrenica-Potocari, Bosnia & Herzegovina by Michal Leja.

      Srebrenica-Potocari, Bosnia & Herzegovina by Michal Leja.

Image of Structure by Joshua Sarinana

Image of Structure by Joshua Sarinana

O concurso tem 20 categorias, incluindo Ensaio Fotográfico, este com prêmio de $500. Cada imagem submetida pode ser inscrita em até 2 categorias. Todos os vencedores de cada categoria serão incluídos no tour de exposições da MPA, possibilitando oportunidades de venda de arte.

As taxas de inscrição partem de $ 15 dólares para uma (1) imagem aumentando de acordo com número de imagens submetidas, chegando até 100 dólares para 15 imagens. O MPA Ensaio Fotográfico tem sua própria taxa de inscrição de US $ 29 com prêmio de $ 500 dólares. O vencedor do grande prêmio recebe $3000 dólares.

O prazo de submissão é 9 de dezembro.

Fonte:  https://mobilephotoawards.com/

Fonte:  https://mobilephotoawards.com/

Tá valendo correr pra produzir essa foto, hein? Vamos nessa?  
Saiba mais sobre o concurso no site: https://mobilephotoawards.com/

23
nov

Evandro Teixeira e seus registros históricos do Brasil

Um dos grandes nomes do fotojornalismo brasileiro, Evandro Teixeira presenciou importantes momentos da história do país. Hoje, aos 83 anos, o fotógrafo é lembrado por seus registros, em diferentes partes do mundo, e suas fotos integram acervos de museus como o de Belas Artes de Zurique, na Suíça, o Museu de Arte Moderna La Tertulia, na Colômbia, e o Masp, em São Paulo.

O papa João Paulo II em sua segunda visita ao Brasil (Salvador, Bahia, 1991)

Nascido na cidade baiana de Irajuba, iniciou sua carreira jornalística em 1958, no jornal O Diário de Notícias, em Salvador, mas logo foi transferido para o Diário da Noite, na cidade do Rio de Janeiro, onde mora até hoje. Tornou-se uma figura mítica do fotojornalismo em 1963, quando ingressou no Jornal do Brasil e nele permaneceu por 47 anos.

Evandro esteve presente em lugares e momentos marcantes da história do Brasil e até de outros países. Algumas das suas coberturas mais importantes foram a chegada do general Castello Branco ao Forte de Copacabana durante o golpe militar de 1964, a repressão ao movimento estudantil no Rio de Janeiro, em 1968, e a queda do governo Salvador Allende, no Chile, em 1973, entre outras.

Tomada do Forte de Copacabana no golpe de militar (1964)

Cavalaria em ação na igreja da Candelária, em protesto durante a missa pela morte do estudante Edson Luís (1968)

Passeata dos 100 mil (Cinelândia, Rio de Janeiro, 1968

O jornalista que cobriu duas ditaduras disse ao portal Photos que se orgulha de ser um profissional inspirador para seus colegas de profissão e que o fotojornalismo é uma ferramenta importante no registro da história. Por ocasião das manifestações de 2013, Evandro foi questionado sobre como foi a sensação de reviver os protestos de 1968 e disse que procurou participar e sentir de perto o movimento. “As reivindicações são outras, mas os ideais são os mesmos. Não podia ficar fora! Hoje, não estou mais preso a um jornal, mas continuo com a minha missão e paixão, fotografar. Afinal, esta é a minha profissão.”

Redigido por Carolina Camejo
Hub ESPM-sul