Skip to content

Archive for outubro, 2018

30
out

Henrique Olsen: do asfalto de Porto Alegre para a natureza selvagem

Retrato Henrique Olsen

Foi nas ruas de Porto Alegre, em 2014, que Henrique Olsen, 24 anos, iniciou sua carreira na fotografia, com foco em skateboarding. Ele trabalhou como fotógrafo na empresa Matriz Skate Shop e tem imagens publicadas em sites especializados como Tribo Skate e The Berrics. Formado no nosso Curso Anual de Fotografia (ESPM-Sul, em Porto Alegre), ele é estudante de Publicidade e Propaganda e foi membro e funcionário do Centro de Fotografia, também aqui, na ESPM-Sul. Atualmente trabalha como freelancer.

Foto: Henrique Olsen

Há dois anos, a natureza passou a se tornar sua principal inspiração. Por meio da fotografia de natureza, Olsen deseja contar histórias com o intuito de emocionar as pessoas.

“Mesmo que eu conscientize e emocione apenas uma única pessoa, fico feliz”, afirmou o fotógrafo em entrevista ao portal G1.

Foto: Henrique Olsen

Nessa nova fase, viajou para diversos lugares, como Venezuela, Ilhas Galápagos, Bora Bora e Deserto do Atacama. “Antes de escolher um destino, sempre pesquiso muito sobre o local. Acesso, habitantes, histórias locais e principalmente a fauna e flora”. As imagens produzidas durante as viagens já foram compartilhadas nas redes sociais da National Geographic Brasil e BBC Brasil.

Em maio de 2018, Olsen expôs suas fotografias sobre as Ilhas Galápagos no Espaço Cultural ESPM-Sul, trabalho desenvolvido durante uma expedição de 20 dias.  Através das imagens o fotógrafo buscou conscientizar as pessoas a respeito das mudanças climáticas.

Foto: Henrique Olsen

Foto: Henrique Olsen
Conheça mais trabalhos do Henrique em:
www.henriqueolsen.com
@henriqueolsen
Redigido por Carolina Camejo
Hub ESPM
19
out

O conjunto de excluídos de Anders Petersen: O Café Lehmitz

Retrato de Anders Petersen

Retrato de Anders Petersen

Anders Petersen nasceu em 1944 na cidade de Estocolmo, na Suécia. Começou a estudar pintura no ano de 1961, em Hamburgo, na Alemanha. Aos 22 anos, teve contato com Christer Strömholm e sua obra. Strömholm foi seu professor, iniciando-o na fotografia.

Foto: Anders Petersen

Em 1967, Anders começa a fotografar um bar em Hamburgo, o Café Lehmitz. Suas fotos buscavam retratar os frequentadores do local: prostitutas, travestis, alcoólatras e viciados em drogas. “Lehmitz foi meu primeiro trabalho que levei a sério. Eu realmente me identifiquei com essas pessoas e sua situação, esse grupo que estava fora da sociedade. Eu os respeitava. Eu me senti fortemente ligado a eles”, contou em entrevista ao jornalista Simon Bowcock, do The Guardian.

Foto: Anders Petersen

“As pessoas do Café Lehmitz tiveram uma presença e uma sinceridade que eu sentia falta. Tudo bem estar desesperado, ser terno, ficar sozinho ou aproveitar a companhia dos outros. Houve um grande calor e tolerância neste cenário desprovido”, disse o fotógrafo ao Rosphoto.org.


Foto: Anders Petersen

As sessões duraram três anos e, em 1970, o fotógrafo realizou sua primeira exposição, contendo 350 fotografias ambientadas no Lehmitz.

Em 1978, o projeto virou livro e, hoje, é um dos mais conceituados da história da fotografia europeia. O músico Tom Waits utilizou uma foto de Petersen na capa do seu álbum “Rain Dogs”.

Foto: Anders Petersen

Seu trabalho no Café Lehmitz o tornou conhecido por suas fotografias em preto e branco, seu estilo documental e a busca por retratar o íntimo das pessoas. Petersen expôs internacionalmente e ganhou vários prêmios durante sua carreira.

Redigido por Luis Henrique Cunha
HUB ESPM-Sul 
12
out

McNally: O Mágico de Oz

Retrato de McNally

 

Joe McNally é conhecido por sua criatividade e por sua capacidade de transformá-la em fotografias impressionantes. Seu cuidado com a técnica, como iluminação e composição, fica evidente em suas produções. Com trabalhos em quase 70 países, o fotógrafo conseguiu unir o mundo da publicidade com o do fotojornalismo.

 

Foto: Joe Mcnally

Ao longo de sua carreira, trabalhou com empresas como FedEx, Sony, ESPN, Adidas, General Electric e Epson. Além disso, fotografou para capas da National Geographic, LIFE e Sports Illustrated. Segundo o artista, seu grande diferencial é sua habilidade de pesquisa.

Foto: Joe Mcnally

Ganhou o primeiro Prêmio Alfred Eisenstaedt de Impacto Jornalístico pela cobertura da LIFE intitulada “Panorama da Guerra”.

Foto: Joe Mcnally

“Essa sessão, na verdade, foi uma história posterior. Eu busquei retratar, em zonas pós-guerra, a varredura da destruição. As consequências do conflito para as pessoas e lugares. O dano em toda a sua largura”, declara o artista.

Redigido por Luis Henrique Cunha
Hub ESPM-Sul