Skip to content

Archive for agosto, 2014

29
ago

Um olhar para as emoções dos torcedores

Um concurso promovido pela ESPM, com participantes das unidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, premiou dois fotógrafos da ESPM-Sul, em uma disputa que contemplou fotos realizadas durante o período da Copa do Mundo de 2014, tendo as “Emoções” como temática.

“No jogo Brasil x Alemanha, me coloquei de costas para o telão da Fan Fest. Não vi os gols em nenhum momento, não sabia o que estava acontecendo. Foi interessante e ao mesmo tempo chocante. Acompanhei tudo a partir da reação das pessoas. Para mim, aquele jogo foi resumido na expressão incrédula das pessoas.”

Schari Kozak, monitora no Centro de Fotografia da ESPM-Sul – 1º lugar na avaliação do Júri

Foto: Schari Kozak

“Foi um contato novo, muito diferente do meu trabalho habitual. Fui à Fan Fest fotografar os argentinos, que têm essa tradição de serem expressivos. Busquei captar a emoção das comemorações.”

Carlos Ferrari, monitor no Centro de Fotografia da ESPM-Sul - 1º lugar na categoria Voto Popular

Foto: Carlos Ferrari

27
ago

O legado de Francesca Woodman

Retrato de Francesca Woodman

Nos últimos anos, o trabalho da fotógrafa Francesca Woodman ganhou uma notoriedade muitas vezes motivada pela sua biografia trágica: com apenas 22 anos, ela se suicidou. O apelo da sua história de vida, no entanto, não é o único motivo que justifica a repercussão das fotos que ela deixou. Construindo cenas com pouquíssimos elementos, Francesca concebeu ensaios de extrema potência poética.

Foto: Francesca Woodman

Foto: Francesca Woodman

O cenário parece ser sempre o mesmo: uma enorme peça um tanto decadente, com um papel de parede que descola e objetos espalhados. Ângulos inusitados revelam corpos – incluindo o da própria fotógrafa, em alguns casos – cortados pelos limites do plano das fotografias. Circulam por esse lugar figuras humanas com o rosto escondido ou então oculto pelo borrar do movimento.

Foto: Francesca Woodman

Foto: Francesca Woodman

A nudez dos corpos femininos sugere certa sensualidade, ao mesmo tempo em que parece não se deixar contemplar senão por fragmentos. Uma atmosfera surrealista perpassa as imagens, que nos mostram situações um tanto absurdas. Por vezes, as fotos de Francesca dão a impressão de registrar movimentos de uma dança.

Foto: Francesca Woodman

Foto: Francesca Woodman

Algumas imagens posicionam as figuras humanas e o entorno de forma mimética, os corpos sendo absorvidos pelo ambiente ou então se somando aos móveis que estão à volta.

Foto: Francesca Woodman

Foto: Francesca Woodman

Francesca Woodman (1958-1981) nasceu em Denver, no Colorado (EUA). Filha de pai e mãe artistas, desenvolveu seu interesse pela fotografia ainda na escola. Mais tarde, em 1975, ingressou na Rhode Island School of Design. Desde a adolescência, passou temporadas na Itália.

Foto: Francesca Woodman

Foto: Francesca Woodman

Mudou-se para Nova York em 1979 e um ano mais tarde participou de uma residência artística na cidade de Peterbrough, no estado de New Hampshire, no nordeste dos Estados Unidos. Até seu suicídio, em 1981, realizou poucas exposições, em espaços alternativos de Nova York e Roma. A partir de meados da década de 1980, seu trabalho – que tem origem em um arquivo de aproximadamente 10 mil negativos, mantidos pelos seus pais – passou a circular em museus e galerias de todo o mundo.

 

19
ago

19 de agosto: Dia Mundial da Fotografia

Há 175 anos, em 19 de agosto de 1839, o governo francês anunciava publicamente a invenção do daguerreótipo. Desenvolvido anos antes por Louis Jacques Mandé Daguerre, o invento era capaz de formar imagens sobre uma fina camada de prata, aplicada sobre uma placa de cobre polida e revelada em vapor de mercúrio. Muita coisa aconteceu de lá pra cá, e a fotografia se disseminou pelos mais diversos campos de atuação, apresentada em inúmeros formatos a partir de processos de obtenção igualmente múltiplos.

Por aqui, aproveitamos o Dia Mundial da Fotografia para lançar uma pergunta a três professores do Centro de Fotografia da ESPM-Sul: O que há de mais essencial na sua relação com a fotografia?

“Para mim, o que é mais essencial na fotografia é o fato de ela ser uma ferramenta que permite concretizar o imaginário de tal maneira que ele se confunda com o real.”

– Clovis Dariano

Foto: Clovis Dariano

“É o ato fotográfico. Minha relação com a fotografia se justifica por este momento. O processo que conduz ao resultado final é o que me gera satisfação e produz significado. Isso é o fundamental pra mim: o processo; o ato.”

– Guilherme Lund

Foto: Guilherme Lund

“Eu gosto da fotografia que desperta uma emoção, que dá frio na barriga, causa espanto, admiração… que faz pensar. Para mim, esse processo de sentir algo e tentar entender de onde vem esse sentimento, seja ele qual for, é o mais relevante na minha relação com a fotografia. Acredito que é um processo de aprendizagem, que evolui com a prática. É preciso, inicialmente, perceber esses sentimentos, se observar, e depois de um tempo, se pensar, se descobrir. A fotografia pode ter esse papel ‘revelador’ de mundo, do mundo particular de cada um, basta se permitir.”

– Claudio Meneghetti

Foto: Claudio Meneghetti