Skip to content

Archive for julho, 2014

30
jul

Elena Shumilova e o mundo das crianças

Retrato de Elena Shumilova

Ao adquirir sua primeira câmera profissional, a fotógrafa russa Elena Shumilova decidiu retratar um contexto extremamente próximo: a rotina de seus dois filhos e sua relação com os animais. Embora iniciante, em pouco tempo Elena conseguiu produzir um ensaio de forte apuro técnico e apelo emocional.

Elena Shumilova

Elena Shumilova

Enquadramentos precisos, gamas cromáticas coerentes e narrativas cuidadosamente pensadas estão presentes em todas as imagens. Todo esse cuidado faz com que as fotografias ganhem um caráter cinematográfico. Cada uma delas evoca possíveis histórias de tramas imaginadas.

Elena Shumilova

Elena Shumilova

Além do afeto entre a fotógrafa e os fotografados, claramente expresso nas imagens, as composições brincam com as diferenças de escala entre as crianças e o seu entorno – amplas paisagens, longas estradas e até mesmo um cachorro muito maior do que o seu pequeno dono.

Elena Shumilova

Elena Shumilova

A infância que Elena Shumilova retrata é repleta de fantasia e descobertas cotidianas. O universo que ela constrói nas fotografias, embora bastante calcado na beleza e harmonia dos planos, dá margem também a certo mistério. Por mais próximo que se esteja, algo parece seguir guardado pelas crianças, em um mundo ao qual os adultos já não têm acesso.

Elena Shumilova

Elena Shumilova

25
jul

O caminho da praia: sempre diferente, sempre o mesmo

Retrato de Anderson Astor e Marcelo Curia

“Depender do próprio corpo para o deslocamento em um longo trajeto. Olhar incansavelmente até cansar. Deixar o sol imprimir em superfícies sensíveis. Inventariar pequenezas e insignificâncias. Recolher as singularidades e as constâncias.” E ainda: “Colecionar o tempo e a distância. Observar o vento fustigar e esculpir. Catalogar os vestígios que afloram na areia.” Assim, o curador e professor do Centro de Fotografia da ESPM-Sul Fernando Schmitt descreve o processo de trabalho dos fotógrafos Anderson Astor e Marcelo Curia em O caminho da praia. A exposição que integra o projeto pode ser visitada em Porto Alegre a partir de hoje, às 19h, na Galeria Mascate (Rua Laurindo, 332).

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Tudo começou em 2011 (como já contamos aqui), quando Astor e Curia decidiram percorrer toda a extensão do litoral gaúcho, a pé, ao longo de 35 dias, fotografando paisagens dos 622 quilômetros que se distribuem entre a foz do rio Mampituba, na divisa com Santa Catarina, e a foz do Arroio Chuí, na fronteira com o Uruguai. Financiada por recursos próprios e por contribuições via crowdfunding, a caminhada viria a ter, em 2014, um desdobramento em outra extremidade geográfica do país.

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Em maio deste ano, os fotógrafos foram ao Rio Grande do Norte, contemplados pela XIII edição do Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia. Dessa vez, mais 487 quilômetros de percurso, durante 23 dias, entre a praia de Tibau, na divisa com o Ceará, e a barra do Rio Guaju, no limite com a Paraíba. “Acabamos encontrando contrastes óbvios, mas também semelhanças”, conta Astor, traçando uma comparação entre os litorais gaúcho e potiguar.

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Foto: Anderson Astor e Marcelo Curia

Schmitt, que participou dos dois últimos dias de caminhada de Astor e Curia no Rio Grande do Norte, destaca que, além de mesclar aproximações e contrastes das paisagens, a mostra pretende dar conta do processo de trabalho dos fotógrafos – “um caminho sempre diferente, sempre o mesmo”, nas palavras do curador. Depois de visitar Porto Alegre, a exposição, que já passou por Natal em junho, segue para Pelotas e Rio Grande. Hoje à noite, na Galeria Mascate, será lançado também o catálogo do projeto.

 

O caminho da praia, de Anderson Astor e Marcelo Curia
Curadoria de Fernando Schmitt
Inauguração: 25 de julho de 2014, 19h
Local: Galeria Mascate (Rua Laurindo, 332 – Bairro Santana – Porto Alegre)
Visitação até 30 de agosto, de terça-feira a sábado, das 14h às 18h.

23
jul

Delphine Schacher: Pequeno vestido de festa

Retrato de Delphine Schacher

A série Petite Robe de Fête [Pequeno vestido de festa] da suíça Delphine Schacher tem como tema a vida de jovens romenas que vivem na região da Transilvânia. “É um conto visual sobre a infância e a fragilidade desse tempo precioso”, define a fotógrafa. Além de retratos, ambientes domésticos e paisagens fazem parte do ensaio.

Foto: Delphine Schache

Foto: Delphine Schache

Tradição e transformações convivem nas imagens. Um certo clima de expectativa de que algo está prestes a acontecer – ou já está acontecendo sem ser percebido – na vida das garotas fotografadas.

Foto: Delphine Schache

Foto: Delphine Schache

“As fotos do entorno nos permitem descobrir uma visão diferente de um lugar tão dolorosamente marcado como a Romênia – um país que busca o futuro enquanto vive na sombra de sua história. Como um adulto dando os primeiros passos fora da infância, há progresso, mas também muitos erros ao longo do caminho”, compara Delphine.

Foto: Delphine Schache

Foto: Delphine Schache

Nascida em 1981, Delphine Schacher vive em Lausanne, na Suíça. Realizou uma formação avançada em fotografia pela Ecole supérieure d’arts appliqués de Vevey (Suíça) e já teve seus trabalhos expostos na Galerie Focale de Nyon. Em 2013, a associação suíça VFG concedeu a ela o segundo prêmio na categoria jovens talentos no 17º Prix de Jeunes Talents VFG en Photographie.

Foto: Delphine Schache

Foto: Delphine Schache