Skip to content

Archive for dezembro, 2012

14
dez

Olivia Arthur, além do véu das mulheres orientais

Retrato de Olivia Arthur. Foto: Philipp Ebeling.

Nascida em 1980, a londrina Olivia Arthur é um dos mais recentes recrutamentos da Magnum. Com um trabalho focado nas mulheres do Oriente, revela com suas imagens aspectos dessas culturas nem tão conhecidos nos países ocidentais. Estudou Matemática na Universidade de Oxford e fotojornalismo na London College of Printing.

Foto: Olivia Arthur.

Foto: Olivia Arthur.

Ao completar o curso de um ano de fotojornalismo, Arthur partiu para Índia, onde de forma calma e meticulosa afinou o ofício que escolhera como profissão. Permaneceu em Nova Déli por dois anos e meio até mudar-se para a Itália, convidada para uma residência de um ano na Fabrica, estúdio de criatividade da Benetton de Oliviero Toscani. Além de assinar diversos trabalhos para a revista Colors, Olivia abriu uma galeria de fotos, a Fishbar, localizada em um restaurante vietnamita abandonado. “Foi um ótimo momento para mim, tive a oportunidade de trabalhar em algo mais substancial”, relembra. Nessa época, seu trabalho já revelava atenção aos contrastes entre Oriente e Ocidente, especialmente no que se refere aos costumes femininos. Com suas imagens, Arthur afirma, sempre pretendeu contar histórias. Por trabalhos publicados nessa época, recebeu os prêmios Inge Morath, National Media Museum e OjodePez-PhotoEspana.

Foto: Olivia Arthur.

Foto: Olivia Arthur.

Quando foi convidada para trabalhar na Arábia Saudita, abraçou a chance sem saber das dificuldades que enfrentaria nos meses iniciais. Até pouco tempo atrás, fotografar em público era ilegal na região. Sua presença só passou a ser encarada pelo povo com menos hostilidade quando os venceu no cansaço, tornando-se, ela e sua câmera, quase parte do cenário. As fotos que tirou nesse período estão reunidas no auto-publicado (sob o selo Fishbar) Jeddah Diary (2011), que já surgiu destinado a se tornar um item de colecionador.

Foto: Olivia Arthur.

Foto: Olivia Arthur.

“Todas as fotos que eu havia visto da Arábia eram de pequenas figuras negras caminhando pelas ruas, eu realmente queria fugir disso”, revela. Sua estratégia foi utilizar uma pequena câmera e mostrar as fotos às personagens. Ainda que mais relaxadas, elas permaneciam assustadas com a ideia de aparecerem, então o desafio se tornou encontrar uma maneira de esconder suas identidades sem que parecessem, nas palavras de Olivia, “fotos de criminosas”.

Foto: Olivia Arthur.

Foto: Olivia Arthur.

Atualmente, Arthur se restabeleceu em sua terra natal e trabalha para o jornal local The Hackney Gazette, além de realizar projetos pela Fishbar. Ainda assim, permanece visitando a Índia constantemente, com o patrocínio da fundação parisiense Jean-Luc Lagadere. Quando questionada sobre o por quê de, mesmo integrante do time da Magnum, optar por fotografar para um jornal local, dá em retorno outra pergunta, que sintetiza seu trabalho e seu método: “Por que razão as pessoas não se importariam com as pequenas histórias se são essas as que mais nos revelam sobre a maneira como as pessoas vivem?”.

Foto: Olivia Arthur.

Foto: Olivia Arthur.

11
dez

Galeria Bolsa de Arte sedia mostra Silêncio, de Leopoldo Plentz

Retrato de Leopoldo Plentz. Foto: Schari Kozak.

É do fotógrafo e professor do Centro de Fotografia da ESPM-Sul Leopoldo Plentz a exposição que marca o encerramento da programação de 2012 na Galeria Bolsa de Arte (Rua Visconde do Rio Branco, 365, PortoAlegre). Intitulada “Silêncio”, a mostra reúne 12 imagens em preto e branco captadas ao longo dos anos e incluem duas panorâmicas inéditas realizadas recentemente nos cânions dos Aparados da Serra, no Rio Grande do Sul. O coquetel de inauguração da mostra foi realizado na noite do dia 28 de novembro.

Fortaleza dos Aparados da Serra. Foto: Leopoldo Plentz.

Purnamarca. Foto: Leopoldo Plentz.

Leopoldo conta que a escolha das imagens contempladas foi realizada em conjunto com a direção da galeria. O processo permitiu testes no espaço, algo raro, e mostraram, por exemplo, que as molduras e papeis que seriam utilizados deveriam ser substituídos. “É raro poder realizar essas experimentações e isso também permitiu um amadurecimento na seleção e preparação das fotografias”, afirma o fotógrafo.

Com imagens de diferentes épocas pré-selecionadas, captadas em países sul-americanos como Brasil, Argentina e Chile, Leopoldo fez questão de produzir material novo especialmente para a mostra. Inspirado pelo conceito de silêncio que dá nome à exposição e costura uma unidade entre as fotografias, escolheu como destino os cânions dos Aparados da Serra. Tendo em mente o fato de que as imagens seriam grandes, Leopoldo realizou um desejo antigo: montar panorâmicas com diferentes fotogramas. O plano inicial era que três fossem utilizados. No fim das contas, a imagem precisou de dez, montados e editados em um processo lento e cuidadoso.

Canion Malacara. Foto: Leopoldo Plentz.

Serraria Benedito Novo. Foto: Leopoldo Plentz.

Leopoldo fez questão, também, de contemplar ao menos uma de suas fotos do pampa gaúcho, tema recorrente em sua obra. Em suas palavras, trata-se de uma paisagem difícil de ser fotografada, e pensando justamente nesse aspecto que ele chegou ao título. “O silêncio é algo dificílimo, senão impossível, de ser registrado. E paisagens também são difíceis”. Para o fotógrafo, ninguém resiste a uma paisagem quando está com uma câmera nas mãos, mas poucos conseguem registrá-la de forma realmente eloquente, que chame a atenção. “Para desfrutar da paisagem, também é necessário silêncio interior, não funciona com pressa. A pressa pode ser o combustível de outro tipo de foto, como a urbana”.

Silêncio, de Leopoldo Plentz
Galeria Bolsa de Arte (Rua Visconde do Rio Branco, 365, Porto Alegre)
De 29 de novembro a 21 de dezembro de 2012
10h às 19h (segunda a sexta) / 10h às 13h30 (sábados)
Entrada Franca

6
dez

AFP publica seleção de melhores imagens de 2012

Este dezembro, a agência de notícias Associated France Press (AFP) se adiantou: publicou a seleção das melhores imagens de 2012 faltando quase um mês para o ano acabar. A coletânea contempla os principais acontecimentos que foram pauta no mundo inteiro, das vitórias olímpicas na Inglaterra à devastação causada pelo furacão Sandy nos Estados Unidos. Além de fotografias que representam esses tópicos mais evidentes, a seleção inclui imagens marcantes de eventos incomuns ou inusitados que se passaram em diferentes lugares do globo. Selecionamos algumas delas:

Um homem passa por um carro coberto de gelo à beira do congelado Rio Geneva, na cidade de Veroix, na Suíça. A imagem, registrada em fevereiro, foi um dos símbolos do inverno rigoroso que atingiu a Europa em 2012. Mais de 260 mortes foram associadas às gélidas temperaturas da estação. Foto: AFP /Getty Images.

Um leopardo escala uma rede após cair em um reservatório de água localizado em uma propriedade de chá de Haskhova, na Índia, em junho de 2011. Depois de algumas horas, foi salvo por uma equipe de resgate. Foto: AFP /Getty Images.

A mais bem preservada carcaça de um bebê mamute foi exibida em Hong Kong em abril de 2011. Chamada de Lyuba, tem 42 mil anos de idade e foi encontrada por um pastor de renas russo em 2007, envolta apenas em uma camada de terra congelada. Foto: AFP /Getty Images.

Em março, o exilado tibetano Jamphel Yeshi, 27 anos, ateou fogo em seu próprio corpo durante um protesto contra o governo chinês em Nova Déli, na Índia. A manifestação reuniu tibetanos antes de uma visita do presidente Hu Jintao ao país. Foto: AFP /Getty Images.

Um menino nada entre os escombros enquanto tenta salvar pertences de casas destruídas em Manila, nas Filipinas. O vilarejo foi atingido por duas barcaças em julho, quando os ventos e chuvas da tempestade tropical Saola atingiram a capital. Pelo menos uma pessoa morreu e milhões ficaram sem energia elétrica. Foto: AFP /Getty Images.

Jovens eslovacos vestidos com roupas típicas jogam um balde d'água em uma garota na Vila de Trencianska Tepla, ao norte de Brastislava. Realizado em abril, o ato é parte das celebrações de Páscoa e simboliza votos de juventude, força e beleza para a próxima estação. Foto: AFP /Getty Images.

Lutadores se apresentam durante o show Lucha Va Voom's Cinco, no Mayan Theatre, em Los Angeles. O evento é uma mistura de Lucha Libre (tradicional estilo de luta mexicano), comédia e strip-tease. Foto: AFP /Getty Images.

8. Uma integrante da escola de samba Rosas de Ouro dança na primeira noite de desfiles do Carnaval de São Paulo, em fevereiro. Foto: AFP /Getty Images.