Skip to content

6 de outubro de 2017

“Tirar fotos é retirar do desconhecido aquilo que resiste e se recusa a vir à luz”, Jean Gaumy.

Autorretrato de Jean Gaumy.

Nascido em agosto de 1948 em Pontaillac, na França, e vinculado à Magnum desde 1977, Jean Gaumy começou sua carreira como escritor e fotógrafo, trabalhando, também, em projetos cinematográficos. Sua obra costuma abordar o tema do isolamento humano e é aclamada em todo o mundo.

Foto: Jean Gaumy.

Foto: Jean Gaumy.

Educado em Toulouse e Aurillac, começou a trabalhar como fotógrafo freelancer parar pagar por seus estudos universitários em Rouen. À convite de Raymond Depardon, tornou-se membro da agência Gamma em 1973, após integrar a Viva por um breve período. Desde o princípio, parte importante de sua produção tem como tema o confinamento. Em 1975, começou a trabalhar em duas grandes séries que ajudaram a projetar seu nome internacionalmente e se tornaram livros, L’hôpital (1976) e Les Incarcérés (1983). Sem precedentes, ambos expuseram a fragilidade dos sistemas de saúde e prisional na França e impulsionaram reformas. Gaumy foi, à propósito, o primeiro profissional a receber permissão para fotografar as prisões do país. Ele também foi o pioneiro ao ter acesso ao campo de treinamento da milícia feminina Basij, no Irã – e é essa a origem de uma de suas mais famosas fotos, tirada durante uma prática de tiros.

Foto: Jean Gaumy.

Foto: Jean Gaumy.

Durante quatro anos, Gaumy visitou o Irã por seis ou sete vezes, documentando desde fatos cotidianos até os momentos mais tensos da Guerra Irã-Iraque. “Para mim, foi uma oportunidade de descobrir o verdadeiro significado do que o país era”, define. “Abbas me disse para não acreditar em qualquer coisa que lia nos jornais e ele estava perfeitamente certo”.

Foto: Jean Gaumy.

Foto: Jean Gaumy.

Em 1984, fez seu primeiro filme, La Boucane, indicado ao prêmio César em 1986, e permaneceu trabalhando em projetos de cinema. Em 2005, dedicou-se à documentação da vida em um submarino nuclear para o filme Sous Marin passando quatro meses a bordo, debaixo d’água. Depois, começou um trabalho que o levou aos mares do Ártico, mais precisamente às terras contaminadas de Chernobyl e Fukushima, seguindo uma abordagem fotográfica considerada mais contemplativa, ligada ao estilo de seus numerosos trabalhos sobre o confinamento humano. Para o mesmo projeto, iniciou uma série de paisagens de montanhas.

Foto: Jean Gaumy.

Foto: Jean Gaumy.

Share your thoughts, post a comment.

(required)
(required)

Note: HTML is allowed. Your email address will never be published.

Subscribe to comments